Última hora
This content is not available in your region

Hospitais gregos garantem estar a postos para os turistas

euronews_icons_loading
Hospitais gregos garantem estar a postos para os turistas
Direitos de autor  AP / Dimitris Papamitsos
Tamanho do texto Aa Aa

O sistema de saúde grego tem sido relativamente poupado pelo surto de covid-19, com pouco mais de três mil casos registados no país, mas o teste de fogo pode estar a chegar. A reabertura do turismo promete apresentar um novo desafio. Na ilha de Naxos, as autoridades sanitárias garantem ter tudo a postos.

Vasilis Raptakis é diretor do hospital local e assegura que não está preocupado, nem com o aumento no volume de trabalho previsto para o verão com a chegada dos turistas à ilha, uma vez que estão completamente preparados para os receber.

O otimismo justifica-se pela prevenção, e não pela experiência adquirida. Apenas se registou um caso em Naxos, na ilha vizinha de Paros o cenário é ainda mais animador e o contador continua a zero. Markos Kovaios é o presidente da autarquia local e refere que ainda não foi registado nenhum caso na ilha mas que se isso acontecer, já foram tomadas medidas proativas em cooperação com o ministério da saúde para resolver a situação rapidamente e travar o contágio.

Ao contrário de Naxos, Paros não tem hospital mas um simples centro de saúde. Apesar de relativamente pequeno, tem uma câmara de isolamento e capacidade para efetuar testes à covid-19 graças, em grande parte, a doações privadas.

Falta pessoal especializado mas nem isso assusta os médicos locais, que lembram que a falta de pessoal sempre fez parte da sua realidade e que têm todos os meios à disposição para enfrentar a ameaça da covid-19 com tranquilidade.

A confiança reina em Paros e mesmo o responsável máximo do centro de saúde local convida os turistas a visitar a ilha para esquecer o coronavírus.

A chegada de turistas está prevista para um de julho, até lá, as autoridades locais ainda tentam chegar a acordo com alguns hotéis para colocar os casos de covid-19 em quarentena em caso de necessidade.