EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

França obriga Google a negociar direitos conexos com os 'media'

França obriga Google a negociar direitos conexos com os 'media'
Direitos de autor AP Photo/Don Ryan
Direitos de autor AP Photo/Don Ryan
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

França torna-se, assim, no primeiro país da União Europeia a aplicar uma diretiva europeia de 2019

PUBLICIDADE

O Tribunal de Recurso de Paris validou, esta quinta-feira, uma decisão da autoridade da concorrência que obriga a Google a negociar com a imprensa francesa sobre os direitos conexos.

França torna-se, assim, no primeiro país da União Europeia a aplicar uma diretiva europeia de 2019, como explica a advogada Zoe Vilain.

"Este novo caso surgiu após a nova legislação europeia sobre 'direitos conexos', dando aos editores de imprensa o direito de pedir remuneração pelos seus conteúdos disponibilizados em plataformas como a Google. Quando esta legislação entrou em vigor, no ano passado, em França, os editores franceses solicitaram que a Google negociasse ao abrigo desta legislação e a Google decidiu, simplesmente, apagar o conteúdo da sua plataforma, para não ser forçada a negociar. Os editores franceses ficaram muito perturbados com esta decisão, pelo que se dirigiram à autoridade francesa de concorrência e pediram que esta obrigasse a Google a negociar com eles".

Antes de ser conhecida a decisão do Tribunal francês, a Google afirmou estar próximo de um acordo com a imprensa gaulesa.

A questão da remuneração dos direitos conexos pelas plataformas digitais estende-se a vários países. Recentemente, a Google anunciou uma verba de mais de 800 milhões de euros para aumentar os rendimentos dos órgãos de comunicação social no mundo, através do pagamento de licenças.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Google ameaça retirar serviços da Austrália

Produtores de champanhe apostam no fim do ano

A proliferação de notícias falsas na Eslováquia serve de aviso à UE