Produtores de champanhe apostam no fim do ano

Access to the comments Comentários
De  Joao Duarte Ferreira
Produtores de champanhe apostam no fim do ano
Direitos de autor  AFP

Nada simboliza o espírito de festa melhor do que o champanhe, mas o som das rolhas a saltarem ouve-se cada vez menos em França.

Entre janeiro e julho, as vendas cairam cerca de 25% em comparação com o ano anterior. Foi a consequência das restrições impostas sobre os ajuntamentos e ocasiões sociais, alturas em que o champanhe é normalmente consumido em quantidade.

Com o fim do ano à vista, alguns produtores mantêm viva a esperança, ainda que não tenham ilusões.

"Vamos ter menos vendas, é inevitável. Há vendas que se perderam e que não serão recuperadas até ao final do ano. Tudo vai depender do fim do ano, saber se as vendas recomeçaram. Para os franceses é sem dúvida, a bebida essencial das celebrações do fim do ano" diz o vitivinicultor francês Antoine Chiquet.

Com a queda nas vendas aumentaram os stocks de champagne. Milhões de garrafas permanecem nas caves e este excesso de stock também exerce pressão sobre os preços.

A fim de controlar essa pressão, os profissionais do setor concordaram em reduzir a quantidade de uvas recolhidas e assim reduzir a produção.

"Fou uma decisão difícil algo que teve que ser tomado em conjunto no interesse e para o futuro do Champagne, reduzir a colheita a 8 mil quilos por hectare. Este ano a natureza não nos deu muito acima deste valor, acabámos por desperdiçar algumas uvas mas não muitas", adianta Florent Roques-Boizel, presidente-executivo da Boizel (Grupo Lanson).

Produto de luxo procurado por todo o mundo, o champanhe serve também de barómetro do estado do mundo,

Antes da pandemia, a crise financeira e a Guerra do Golfo levaram igualmente à queda nas vendas.