Última hora
This content is not available in your region

Erosão ameaça população da orla costeira britânica

euronews_icons_loading
Erosão ameaça população da orla costeira britânica
Direitos de autor  Courtesy Mike Page
Tamanho do texto Aa Aa

As falésias britânicas estão em rápida erosão. Na aldeia medieval de Happisburgh em Norfolk, na costa leste inglesa, 35 casas perderam-se em apenas duas décadas. Os cientistas dizem que as alterações climáticas aceleraram a erosão.

"Sentimo-nos despojados da nossa humanidade. Desapareceu", diz Malcom Kerby, um habitante da aldeia.

Uma fotografia aérea datada de 2005 (em ilustração do artigo) mostra como já nessa altura a comunidade estava desesperada por ajuda. Desde então, mais casas foram perdidas por culpa da erosão da falésia.

Malcolm Kerby conhece bem esta linha costeira e há décadas que luta por mais proteção: "O maior problema no que toca à gestão costeira neste país é uma abjeta falta de financiamento", lamenta.

O maior problema no que toca à gestão costeira neste país é uma abjecta falta de financiamento.
Malcom Kerby
Residente em Happisburgh

A erosão não é uma novidade para as comunidades costeiras. Mas as pessoas em Happisburgh dizem que o fenómeno tem vindo a acelerar.

Problema ecológico e social

A costa leste é particularmente vulnerável, pode-se ver como este solo arenoso é frágil e há uma semana atrás todo este pedaço de terra estava ligado à falésia, agora - muito dele está na praia.

Para a investigadora Sophie Day, da Universidade de East Anglia, que estuda os desafios sociopolíticos da adaptação às alterações climáticas e a melhor forma de preparar as comunidades, trata-se não só de uma questão não só climática, como também de injustiça social: "Isto causou muitos problemas em Happisburgh, sobretudo pessoas que perderam as casas que estavam, quase literalmente, à beira do abismo. Temos de compreender como preparar as comunidades, a longo prazo, para serem resilientes e aguentarem este tipo de ocorrências".

O governo atualizou a estratégia de inundações e erosão costeira no início deste ano e diz que vai explorar a possibilidade de deslocalizar algumas comunidades em risco. Mas, atualmente, não há dinheiro do governo central destinado a este fim.

Comunidades como a aldeia de Happisburgh estão na linha da frente da erosão costeira neste país - com até cerca de 4 metros de terra a desaparecer todos os anos. O ritmo da mudança está agora a aumentar e o comité para as alterações climáticas diz que, a menos que sejam tomadas medidas, a terra em que atualmente se encontram 100 mil casas vai simplesmente desaparecer para o oceano".

Há cerca de 18 mil quilómetros da costa continental do Reino Unido vulnerável a inundações marítimas e deslizamentos de terras. E a erosão está a tornar-se, a um risco acelerado, um grande risco para os 17 milhões de pessoas que vivem tão perto das costas do Reino Unido.