Última hora
This content is not available in your region

Agência Europeia de Medicamentos esclarece dúvidas sobre a vacina

euronews_icons_loading
Agência Europeia de Medicamentos esclarece dúvidas sobre a vacina
Direitos de autor  AFP
Tamanho do texto Aa Aa

O processo de autorização de comercialização das vacinas para o novo coronavírus concentrou as atenções na Agência Europeia de Medicamentos - que agiliza o acesso a medicamentos, avalia pedidos de comercialização ou supervisiona as condições de segurança. Levantam-se muitas questões e uma delas é sobre a eficácia da vacina - a diretora da agência responde:

EURONEWS, Meabh McMahon: Quem assume a responsabilidade se houver efeitos secundários?

Temos um processo que apelidamos de "acompanhamento pós-autorização" para continuar a avaliar a segurança, assim que tenha sido utilizada em populações muito maiores do que nos testes clínicos. Essa é uma responsabilidade das empresas e dos estados membros, mas também estamos a fazer estudos independentes para ter certeza de que cobrimos todos os aspetos.
Emer Cooke
Diretora da Agência Europeia de Medicamentos

EURONEWS:Os Eurodeputados colocaram-lhe esta questão na Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar…Tem dados suficientes?

As empresas farmecêuticas estudaram mais de 30 mil indivíduos nos ensaios clínicos, principalmente adultos e idosos, mas também pacientes com doenças existentes. Em termos do que, normalmente, esperaríamos de uma vacina, este conjunto de dados é muito forte. São muitas pessoas... vamos acreditar que podemos tirar conclusões com base nisso.
Emer Cooke
Diretora da Agência Europeia de Medicamentos

EURONEWS: Aqui na Euronews, temos falado com pessoas nas ruas de Bruxelas sobre a vacina... muitas disseram que podiam aceitar, mas não querem ser os primeiras. Estão um pouco hesitantes. Qual seria a sua mensagem para essas pessoas?

Diria que esse é realmente o nosso trabalho. O nosso trabalho é avaliar a segurança e a qualidade da vacina o que é uma responsabilidade enorme. Nós levamos isso muito a sério. Somos a fonte dos dados do produto. Temos mais informação do que qualquer pessoa, à excepção da empresa. E se as pessoas estão preocupadas, queremos fazer tudo o que for possível para garantir que ficam satisfeitas e que podem confiar na vacina - é essa a nossa responsabilidade.
Emer Cooke
Diretora da Agência Europeia de Medicamentos

EURONEWS:Então, tomaria a vacina em direto na televisão? E a presidente da Comissão Europeia deve fazê-lo na televisão? Nos Estados Unidos, ex-presidentes (Bush Jr., Clinton, Obama) disseram que o vão fazer...

Sim, boa ideia.
Emer Cooke
Diretora da Agência Europeia de Medicamentos