Vacina da AstraZeneca aprovada pela Agência Europeia de Medicamentos

Vacina da AstraZeneca aprovada pela Agência Europeia de Medicamentos
Direitos de autor Scott Heppell/AP
Direitos de autor Scott Heppell/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Existem agora três vacinas contra a covid-19 aprovadas para uso na União Europeia

PUBLICIDADE

A Agência Europeia de Medicamentos aprovou a utilização da vacina contra a covid-19 fabricada pela AstraZeneca em território europeu. O organismo sediado em Amesterdão esclarece que a vacina em questão deve ser usada por pessoas com mais de 18 anos de idade.

Trata-se da terceira vacina contra a covid-19 aprovada para uso na União Europeia, juntando-se às vacinas produzidas por Pfizer/BioNTech e pela Moderna.

Apesar da luz verde à vacina, a Agência Europeia de Medicamentos admite desconhecer a sua eficácia perante as novas variantes que têm surgido. De acordo com a diretora-executiva da organização, Emer Cooke, estão a ser monitorizadas "as variantes do coronavírus que estão a aparecer pelo mundo" para perceber em que medida "afetam a proteção oferecida por esta e pelas outras vacinas"

Emer Cooke disse ainda que não têm dados suficientes para perceber se a vacina da AstraZeneca protege contra as novas variantes mas sublinha que foi feito um pedido à farmacêutica para para investigar a questão, à semelhança do que aconteceu com as empresas que produzem as outras vacinas aprovadas.

Braço de ferro entre AstraZeneca e União Europeia

A aprovação surge no meio de um braço de ferro entre União Europeia e AstraZeneca relativamente aos atrasos na entrega anunciados pela farmacêutica. Bruxelas divulgou o contrato entre ambas as partes, onde se destaca a alínea que refere que a empresa desenvolverá os "esforços mais razoáveis para fabricar a vacina em território da União Europeia" e onde se deverão incluir as fábricas britânicas.

euronews
Contrato entre UE e AstraZEnecaeuronews

A União Europeia entende que a produção do Reino Unido devia ser usada para compensar os problemas de produção na Bélgica e Holanda. Já a farmacêutica sublinha que a prioridade deve ser dada a Londres, com quem também tem um contrato assinado.

O texto vago do contrato não ajuda a esclarecer a situação, como refere o advogado Geert van Calster:

"Tudo se vai resumir à interpretação de "esforços mais razoáveis", dadas as instalações que a AstraZeneca possui para fabrico no território europeu, onde se incluem, tal como estipulado no contrato, as instalações no Reino Unido. A questão mais complicada é perceber se ao cumprir estes contratos, foram desenvolvidos os "esforços mais razoáveis" para o fornecimento à União Europeia."

Dos 100 milhões de vacinas que a União Europeia deveria receber até final de Março, a AstraZeneca garante apenas um quarto das doses, ou seja, 25 milhões.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mil italianos assinam manifesto para que Draghi seja presidente da Comissão Europeia

"Pela primeira vez temos uma abordagem europeia comum em matéria de imigração e asilo"

Espanha vai acabar com os vistos gold para investidores imobiliários estrangeiros