This content is not available in your region

Sul-coreana LG deixa de fabricar telemóveis

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques
euronews_icons_loading
Sul-coreana LG deixa de fabricar telemóveis
Direitos de autor  AP Photo/Ahn Young-joon

A sul-coreana LG vai deixar de fabricar telemóveis para passar a concentrar-se noutros mercados eletrónicos emergentes. É a primeira grande fabricante mundial de "smartphones" a abandonar a competição do setor.

Em comunicado divulgado esta segunda-feira, a fabricante asiática justificou o fim da linha dos telemóveis da marca como "uma saída estratégica de um mercado incrivelmente competitivo", revela a agência sul-coreana de notícias Yonhap.

Os analistas do mercado eletrónico veem a decisão da LG como uma forma de a fabricante sul coreana se poder focar noutros setores emergentes como o dos componentes eletrónicos para automóveis, as casas inteligente ou a inteligência artificial.

A fabricante já havia revelado antes pretender revalorizar a respetiva linha de telemóveis, aproveitando o “know how” adquirido no setor dos “smartphones” para começar a desenvolver soluções já a pensar na futura rede 6G, que se prevê de grande importância na geração tecnológica em desenvolvimento apelidada de "internet das coisas", onde todos os equipamentos eletrónicos em uso estarão conetados em rede.

A decisão agora anunciada pela LG põe fim a anos de desempenho frustrante no mercado dos telemóveis, com prejuízos acumulados desde o final de 2015, que a Yonhap estima terem chegado no ano passado aos 5 biliões de won (mais de €3,7 mil milhões).

[알려 드립니다] LG전자 모바일 제품을 성원해주신 고객 여러분께 깊은 감사의 말씀 드립니다. LG전자는 새로운 고객 경험과 가치를 제공해드릴 수 있는 사업 분야에 더욱 집중하기 위해, 휴대폰 사업을...

Posted by LG전자 on Sunday, April 4, 2021

O investimento da LG nos telemóveis começou em 1995 e, com este fim anunciado da linha de montagem, durou pouco mais de 25 anos.

Chegou a ser a terceira maior fabricante do mundo, mas a aposta nos “smartphones” em 2010 ficou sempre aquém da concorrência, em especial da rival sul-coreana Samsung e da norte-americana Apple.

Desde 2019, a quota da LG caiu para menos de dois por cento do mercado dos telemóveis.

Outras fontes • Yonhap