Última hora
This content is not available in your region

CE otimista quanto ao futuro da UE nos Balcãs Ocidentais

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
CE otimista quanto ao futuro da UE nos Balcãs Ocidentais
Direitos de autor  ROBERT ATANASOVSKI/AFP or licensors
Tamanho do texto Aa Aa

A Comissão Europeia afirma-se otimista quanto às perspetivas europeias no futuro dos Balcãs Ocidentais.

O responsável europeu pelo alargamento, Olivér Várhelyi já regressou de uma visita à região.

Ele afirmou que a revisão da estratégia de alargamento no ano passado deu novo impulso ao processo de adesão.

A euronews perguntou como é que os estados-membros da Europa Ocidental, cépticos relativamente ao alargamento, podem ser convencidos.

"O que vimos nos debates em dezembro, foi a metodologia, com o novo plano económico e de investimentos fomos capazes de os convencer. Não foram eles que disseram não. Por isso, considero o seu apoio como garantido. E continuo a trabalhar com eles para manter este apoio", adiantou Olivér Várhelyi, o responsável europeu pelo alargamento e vizinhança.

Dos seis países que compõem os Balcãs Ocidentais, apenas dois, a Sérvia e o Montenegro se encontram em processo de adesão.

A Macedónia do Norte e a Albânia são candidatos e aguardam pelo início das conversações.

A Bósnia e Herzegovina já submeteram a candidatura e o Kosovo ainda permanece mais distante.

Para o comissário, a UE é um ator fundamental na região apesar da crescente influência da China e da Rússia.

"Podemos tornar claro para todos que somos um ator geopolítico. Como vemos, são as nossas empresas que investem mais. É a União Europeia que investe mais em termos de auxílio económico, seja recuperação económica, sejam as reformas, nós estamos presentes na região e acompanhamos o dia-a-dia. É claro que é muito mais fácil oferecer investimentos pontuais, ou ofertas isoladas, mas nós somos quem está aqui em permanência", defende Olivér Várhelyi.

O comissário europeu insistiu em como as negociações de adesão da Albânia podem começar mais cedo do que as da Macedónia do Norte, caso as ambições de Skopje sejam bloqueadas pela Bulgária.

No entanto, a ideia é rejeitada pelo primeiro-ministro da Macedónia do Norte, Zoran Zaev, que visitou Bruxelas.

Ele rejeita as exigências búlgaras nas questões de língua e identidade.

"Esperamos que a totalidade dos estados-membros da União Europeia, a comissão europeia, cumpram o que nos foi prometido. Vocês cumprem, nós cumprimos. Nós cumprimos a dobrar. Agora esperamos que a UE também cumpra. Recordamos que estamos abertos a negociar quaisquer questões que são negociáveis para todos. Questões como identidade e língua nunca são abordadas nas fases de alargamento da UE", sublinhou Zoran Zaev, PM da Macedónia do Norte.

O primeiro-ministro adianta que a língua e identidade da Macedónia não estão abertas a negociação.