Primeiros entendimentos em Carbis Bay no segundo dia de reuniões do G7

Primeiros entendimentos em Carbis Bay no segundo dia de reuniões do G7
Direitos de autor Peter Nicholls/AP
Direitos de autor Peter Nicholls/AP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Plano global de infra-estruturas para os países em vias de desenvolvimento e para prevenir futuras pandemias.

PUBLICIDADE

Primeiros entendimentos em Carbis Bay, Inglaterra. No segundo dia de reuniões, os líderes do G7 concordaram em lançar um plano global de infraestruturas para os países em vias de desenvolvimento. Uma aposta estratégica de Joe Biden para competir com a China. O projeto seria transversal e diria respeito aos domínios do clima, da saúde, do digital e da luta contra as desigualdades.

Os líderes também acordaram num plano para prevenir futuras pandemias. O plano concentrar-se-ia na redução do tempo necessário para desenvolver vacinas e reformar a Organização Mundial de Saúde.

Penso certamente que o protocolo (para a Irlanda do Norte) pode ser utilizado e sujeito a interpretações - que, a propósito cabe à UE - de uma forma pragmática ou teologicamente draconiana. E, neste momento, estamos a ver, penso eu, muitas interferências desnecessárias, muitas dificuldades desnecessárias. Penso que podemos resolver a situação com boa vontade.
Boris Johnson
Primeiro-ministro do Reino Unido

À luz dos acordos, Bruxelas denuncia o atraso do Reino Unido na implementação de vários controlos sobre certos bens que entram na Irlanda do Norte.  O Reino Unido afirma que os controlos estão a colocar um pesado fardo sobre as empresas e a desestabilizar o acordo de paz conquistado na Irlanda do Norte.

Johnson disse estar disposto a invocar o Artigo 16 do protocolo, que permite uma ação unilateral, caso a sua aplicação conduza a "sérias dificuldades económicas, sociais e ambientais".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

ONG contestam "inércia" do G7

Zelenskyy na Albânia para cimeira com países do sudeste europeu

Ucrânia, Zelensky: "Putin pode perder esta guerra"