Última hora
This content is not available in your region

Tornar a alimentação animal mais sustentável

Access to the comments Comentários
De  Aurora Velez
euronews_icons_loading
Tornar a alimentação animal mais sustentável
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Nos tanques de uma piscicultura experimental em Muchocin, no leste da Polónia, centenas de esturjões são alimentados com uma dieta especial à base de proteínas provenientes de larvas e insetos.

Da farinha de peixe à proteína de insetos

Mateusz Rawski, formado em Zootécnia, faz parte do HiProMine, um projeto europeu que desenvolve soluções tecnológicas inovadoras de produção de proteínas a partir de larvas, que se considera ser a resposta à crescente procura de proteínas na alimentação animal.

Este especialista explica que quando se utiliza "farinha de peixe, que é a fonte mais popular de proteínas em aquicultura, é preciso capturar o peixe. Para cada quilo de farinha de peixe são precisos quatro quilos de peixe. Para não prejudicar o ambiente e não prejudicar as populações selvagens", ora, são precisas "novas fontes de proteínas que no futuro serão, indiretamente, alimento para os humanos", porque se come o peixe que comeu esta proteína.

Encontrar fontes alternativas de proteínas

A duas horas desta exploração, para leste, numa outra os esturjões também se alimentam de proteínas de insetos dos mesmos laboratórios. As larvas precisam de 2 a 8 semanas para se desenvolverem. Durante este tempo, alimentam-se de resíduos biológicos. Precisam de muito pouca água (e os seus excrementos podem ser reciclados como fertilizante). A parte mais tecnológica do HiProMine é um segredo bem guardado, e está registo em cerca de 20 patentes.

O orçamento total dos projetos da HiProMine é de 12,5 milhões de euros, 68% correspondem a fundos da política de coesão europeia. Aqui, a reciclagem biológica é combinada com a tecnologia o que contribui para a economia circular. "O objetivo é encontrar fontes alternativas de proteínas, para uma agropecuária sustentável, e para reduzir o desperdício e a reciclagem", como explica Anna Andrzejewska, coordenadora do projeto.

Da piscicultura à avicultura

Nesta região da Polónia o esturjão não é o único a comer uma dieta baseada em insetos. Noutra exploração avícola experimental, Bartosz Kierończyk está também envolvido na investigação sobre os efeitos das proteínas das larvas, nos músculos e crescimento das aves de capoeira.

Este perito explica que é possível "substituir, completamente, a gordura alimentar - óleo de soja, óleo de palma e óleo de aves de capoeira - adicionando ou substituindo-o, totalmente, por gordura da hermetia illucens, que é a larva mais comum à escala industrial na Europa".

Este projeto europeu desenvolve-se no quadro do "Novo Pacto Ecológico", que visa combater a crise financeira e as alterações climáticas através de propostas eco-sustentáveis.