EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Só estas quatro indústrias causam 2,7 milhões de mortes na Europa, segundo um novo relatório da OMS

O tabaco e o álcool fazem parte das indústrias que causam doenças na Europa.
O tabaco e o álcool fazem parte das indústrias que causam doenças na Europa. Direitos de autor AP Photo/Peter Morrison, FILE
Direitos de autor AP Photo/Peter Morrison, FILE
De  Lauren Chadwick
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Um novo relatório mostra o impacto de certas indústrias na saúde e na mortalidade prematura na região europeia da Organização Mundial de Saúde.

PUBLICIDADE

Apenas quatro indústrias causam 2,7 milhões de mortes por ano na região europeia, segundo um novo relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS).

As indústrias do tabaco, dos alimentos ultra-processados (UPF), dos combustíveis fósseis e do álcool são "total ou parcialmente responsáveis" por quase um quarto de todas as mortes na região, de acordo com o documento.

"Quatro indústrias matam pelo menos 7 mil pessoas na nossa região todos os dias. As mesmas grandes entidades comerciais bloqueiam a regulamentação que protegeria o público de produtos e marketing nocivos e protegeria a política de saúde da interferência da indústria", afirmou o Dr. Hans Kluge, Diretor Regional da OMS para a Europa, num comunicado.

O relatório descreve em pormenor a forma como estas indústrias utilizam táticas de marketing para aumentar os lucros à custa da saúde pública, num amplo ataque às indústrias comerciais.

"As indústrias utilizam um manual semelhante para maximizar os lucros, aumentar o poder de mercado e criar o melhor ambiente para poderem crescer ainda mais", afirma o relatório.

A OMS Europa apela a uma regulamentação mais rigorosa sobre a forma como os produtos nocivos para a saúde são comercializados, prevenindo os conflitos de interesses e combatendo os monopólios.

O impacto das indústrias comerciais na saúde

De acordo com os números do relatório, o tabaco causa 1,1 milhões de mortes por ano na região, enquanto o álcool causa mais de 420 mil mortes.

Os combustíveis fósseis causam mais de meio milhão de mortes por ano na região, enquanto as dietas ricas em carne processada, sódio, bebidas açucaradas e gordura causam cerca de 390 mil mortes por ano na região, segundo o relatório.

A OMS afirmou que os atores comerciais procuram influenciar as políticas, apresentam-se como "parceiros-chave dos governos na abordagem dos danos para a saúde associados aos seus produtos" e tentam desviar a atenção dos danos dos seus produtos.

Um exemplo citado no relatório é o facto de a empresa de tabaco Philip Morris International ter doado ventiladores para a resposta à COVID-19.

Noutro estudo de caso, o relatório descreve em pormenor a forma como a indústria utilizou uma campanha de relações públicas para se opor a um imposto sobre as bebidas açucaradas na Estónia.

"As táticas da indústria incluem a exploração de pessoas vulneráveis através de estratégias de marketing direcionadas, enganando os consumidores e fazendo falsas alegações sobre os benefícios dos seus produtos ou as suas credenciais ambientais", acrescentou Kluge.

O vice-primeiro-ministro belga e ministro da Saúde, Frank Vandenbroucke, que lançou o relatório, afirmou: "Os nossos esforços atuais são ainda insuficientes para regulamentar as práticas nocivas dos agentes comerciais em matéria de saúde e, em especial, as das indústrias que prejudicam a saúde".

"Exorto todos os deputados europeus recém-eleitos e os decisores políticos a reconhecerem a dimensão deste problema e o impacto de longo alcance que as práticas da indústria têm na saúde pública e, na verdade, nos nossos processos democráticos", acrescentou.

Em resposta ao relatório, Rebeca Fernández, diretora científica da FoodDrinkEurope, que representa a indústria europeia de alimentos e bebidas e que foi especificamente mencionada na secção sobre bebidas açucaradas, afirmou que ligar "o consumo de alimentos transformados às indústrias do tabaco e dos combustíveis fósseis é irresponsável e escandalosamente enganador".

"Todos precisamos de comida - e todos precisamos de comida processada", acrescentou, afirmando que não existe uma definição consensual" de alimentos ultra-processados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tornar a alimentação animal mais sustentável

Alimentação sustentável: o futuro verde da nutrição

Suíços levam a alimentação sustentável a referendo