Última hora
This content is not available in your region

Projeto europeu financia medidas para prevenir cheias na Eslovénia

Access to the comments Comentários
De  Aurora Velez  & euronews
euronews_icons_loading
Projeto europeu financia medidas para prevenir cheias na Eslovénia
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

A Eslovénia possui quase trinta mil quilómetros de vias navegáveis, mas, na última década, o país dos Balcãs tem sido palco de várias inundações.

A última grande cheia nos afluentes do rio Drava na Eslovénia ocorreu em 2012. As águas transbordaram para as margens e arrasaram campos, estradas e fábricas. Desde 2014, um projeto europeu está a tentar reduzir o risco de cheias na região.

“Nesta área, o rio estava mais estreito. Alargámos o leito do rio. Alterou-se o fluxo das águas e criámos bermas, espaços para transbordamento, em caso de inundações”, explicou à euronews Blanka Grajfoner, gestora do projeto que visa reforçar a proteção das áreas urbanas, industriais e agrícolas à volta dos dois afluentes.

O apoio da Política de Coesão da UE

O orçamento total da iniciativa ronda os 25 milhões de euros. A companhia nacional das águas eslovena contribuiu com 3 milhões e a política de coesão da União Europeia financiou os restantes 22 milhões (80% do total).

A cidade eslovena de Pameče beneficiou de obras no rio, depois das inundações devastadoras de há nove anos. Um dos representantes do munícipio elogiou a sustentabilidade do projeto. “O que eles fizeram até agora é muito estético e foi muito bem feito. Estamos especialmente satisfeitos porque a vida dos peixes foi tida em conta. Foram colocadas rochas onde os peixes se podem esconder", disse à euronews Andrej Breznik.

A euronews visitou uma siderurgia em Ravne que produz entre 70 e 80 toneladas de aço por ano e que exporta para o mundo inteiro. A fábrica utiliza a água do rio Meza. O rio esloveno corre num vale estreito e o leito não pode ser alargado. Foi preciso encontrar soluções alternativas após as cheias de 2012.

“A solução para nos protegermos das cheias era controlar o rio. Fizemos obras no leito do rio, construímos muros de contenção nas duas margens, desenterrámos as linhas elétricas e colocámo-las em postes. Tivemos em conta as cheias de há cem anos para evitar que eventuais inundações possam ter um impacto negativo na atividade da fábrica”, sublinhou Nikolaj Sonjak, gestor técnico da empresa SIJ Metal Ravne.

A médio prazo, está prevista a construção de um reservatório de água a montante do rio Meza e uma barragem para permitir a modulação dos caudais.