EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

"Lembro-me de olhar para baixo e ver pessoas mortas"

A memória das vítimas do ataque de 2015 perdura
A memória das vítimas do ataque de 2015 perdura Direitos de autor AP Photo/Thibault Camus/Arquivo
Direitos de autor AP Photo/Thibault Camus/Arquivo
De  Francisco Marques
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Thomas Smette saiu de casa na sexta-feira 13 de novembro de 2015 para ver um concerto dos Eagles of Death Metal no Bataclan, em Paris. Sobreviveu a um dos maiores atentados terroristas na Europa

PUBLICIDADE

O atentado terrorista de novembro de 2015, na capital de França, que esta quarta-feira começa a ser julgado em Paris, é ainda um pesadelo para muitos dos sobreviventes daquele pesadelo tornado realidade a meio de um concerto dos Eagles of Death Metal.

Admirador da banda de Rock norte-americana, Thomas Smette era uma das 1500 pessoas naquela sexta-feira 13 diante do palco, na sla Bataclan.

Uma noite difícil de esquecer.

Quando me deitei no chão, o único pensamento que tinha era: ‘quero viver, quero viver, quero viver’.

Lembro-me de olhar para baixo e ver pessoas mortas. De repente, um polícia disse-me: ‘não olhes para ali, olha para os meus olhos.
Thomas Smette
Sobrevivente do ataque no Bataclan, a 13 de novembro de 2015

Smette diz lembrar-se "bem" das palavras do polícia, mas garante que a tentativa de o poupar ao horror "não apagou da memória o que já tinha visto".

"Depois, recordo-me de estar a tomar um duche e aí comecei a chorar, no chuveiro. De repente não havia mais ninguém à minha volta, a olhar, e senti que podia quebrar", acrescenta o sobrevivente.

Seis anos depois, o trauma daquela noite ainda o faz tremer: "Assim que oiço certos barulhos ou sirenes da polícia ou dos bombeiros, fico em alerta. Nos concertos a que fui depois daquela noite, verifico sempre onde estão as saídas de emergência."

O atual contexto pandémico também não ajuda na aproximação do início do julgamento.

"Com tudo o que se tem passado devido à Covid-19, este é um mundo pouco confortável e isso também não me ajuda a tranquilizar com a aproximação deste julgamento monstruoso. Estou a preparar-me psicologicamente para o julgamento. Vai-me custar muito", antevê Thomas Smett.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Segundo dia do processo dos atentados de Paris

Começou julgamento "histórico" dos atentados de Paris

Começou hoje processo dos atentados de Paris