Segundo dia do processo dos atentados de Paris

Access to the comments Comentários
De  Rodrigo Barbosa  com AFP
Segundo dia do processo dos atentados de Paris
Direitos de autor  Noelle Herrenschmidt/Noelle Herrenschmidt

A questão que paira no ar ao segundo dia do julgamento dos atentados de novembro de 2015 em Paris é qual será a postura do principal acusado?

Na primeira audiência Salah Abdeslam, único elemento do comando que perpetrou os ataques ainda em vida, desafiou os magistrados, afirmando que a sua profissão é "combatente do Estado Islâmico" e acusando as autoridades de o tratarem "como um cão".

Méhana Mouhou, advogado de acusação:"Abdeslam falou, penso que para provocar. [...] As suas palavras constituem uma provocação, especialmente quando disse: 'Sou o combatente de Alá' e não que é um combatente por Alá. Alá não lhe pediu nada. Temos de ter atenção a uma coisa, neste processo: o tribunal não deve ser uma tribuna para que ela exponha as suas ideias mortíferas."

Imperturbável, o presidente dos magistrados, Jean-Louis Périès, não se deixou provocar, frisando o caráter "democrático" e não "eclesiástico" do tribunal.

Thierry Maillot, sobrevivente do ataque ao Bataclan:"O presidente está a tomar o pulso... É firme e parece ser bom, por isso marca diretamente o tom. Não se deixar levar pelas coisas e por isso estou confiante."

As primeiras testemunhas dos atentados que fizeram 130 mortos e mais de 400 feridos só deverão ser ouvidas a partir de segunda-feira e os sobreviventes e familiares de vítimas a partir do dia 28. O veredito só é esperado em Maio.