Última hora
This content is not available in your region

Ex-autarca afegã alerta para direitos das mulheres no país

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Ex-autarca afegã alerta para direitos das mulheres no país
Direitos de autor  Maria Psara, Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Zarifa Ghafari fez história no Afeganistão ao tornar-se numa das primeiras mulheres a liderar uma autarquia, com apenas 26 anos.

Seguiram-se ameaças de morte, tentativas de assassinato e o homicídio do pai, mas Zarifa não cedeu. A não ser em agosto, quando os talibãs assumiram o controlo do país e teve de fugir para sobreviver.

"No dia em que Cabul caiu e percebi como tudo mudou no espaço de poucas horas foi um choque. É um choque e continuará a sê-lo. O mesmo choque sentido pela comunidade internacional e pelas pessoas. Também foi assim para nós", sublinhou, em entrevista à Euronews a ex-autarca.

Zarifa fugiu com ajuda da família de carro. Fez a viagem escondida, cobrindo-se sempre que atravessava um posto de controlo dos talibãs. Até que conseguiu chegar à Alemanha.

"Tentei convencer a minha família a deixar-me ficar no país. Estava a tentar, pelo menos, encontrar uma forma para não termos de partir, mas tive de fazê-lo. E no momento em que embarquei no avião, foi mais difícil do que perder o meu pai. Quando o fiz sabia que estava a deixar para trás a minha família e uma grande família que é o Afeganistão", acrescentou.

Agora Zarifa tenta alertar a comunidade internacional para a situação crítica dos direitos das mulheres no Afeganistão. A ex-autarca esteve em Bruxelas para participar numa conferência sobre o "Estado da União Europeia." Aproveitou para deixar uma mensagem: "Por favor, parem de falar com o governo talibã. Isso dá-lhes reconhecimento e poder. E dá-lhes a motivação para fazerem o que quiserem no Afeganistão. E se estão a ajudar diretamente com dólares ou dinheiro é preciso que se certifiquem que o dinheiro está a ser usado para o bem das próprias pessoas."

Zarifa sonha voltar ao Afeganistão. Enquanto isso não acontece, continuará na Europa a lutar pelos direitos das afegãs.