This content is not available in your region

Crioulo e a "Nova Lisboa"

Access to the comments Comentários
De  Euronews  com Lusa
euronews_icons_loading
Dino d'Santiago é um dos "embaixadores" do crioulo cabo verdiano em Lisboa
Dino d'Santiago é um dos "embaixadores" do crioulo cabo verdiano em Lisboa   -   Direitos de autor  PATRICIA DE MELO MOREIRA / AFP

No meio de todas as línguas que se ouvem em Lisboa, há uma que está na moda desde o século XVI e que veio para ficar. Nas ruas, nos transportes e nas casas, o crioulo já ganhou raízes na capital portuguesa e agora pode ser lido num jornal.

“Eu sou crioula de genes [mãe cabo-verdiana e pai guineense] e eu falo crioulo em casa, eu namoro em crioulo, eu crio as minhas filhas em crioulo, as duas nasceram cá e a mais nova é bilingue, fala o português e o crioulo”, diz a jornalista e cantora Karyna Gomes.

Karyna é a jornalista responsável pelo projeto de jornalismo crioulo no jornal online A Mensagem, pioneiro na tradução de artigos para crioulo cabo-verdiano e guineense. “Eu sempre senti falta dessa cobertura jornalística da Lisboa real. Lisboa, tanto o centro como as periferias, e Portugal, já agora, está cada vez mais multicultural, e quando nós falamos do crioulo, é ótimo incluir as duas línguas no jornalismo, porque se faz literatura nas duas línguas há muitas décadas”.

Catarina Carvalho, diretora do jornal, explica que o objetivo é integrar o crioulo de uma forma mais profunda “nesta comunidade que é Lisboa".

O crioulo cresce, “sobretudo através de interlocutores da música”, mas também graças a posições políticas, como a do chefe de Estado cabo-verdiano.

José Maria Neves proferiu o seu discurso de tomada de posse como Presidente da República de Cabo Verde, no passado dia 09 de novembro, em crioulo e em português e elegeu a língua cabo-verdiana como a sua “preocupação fundamental”.

Editor de vídeo • Ana Ruivo