Última hora

Última hora

Lusofonia celebra oito séculos de escrita em português

Em leitura:

Lusofonia celebra oito séculos de escrita em português

Lusofonia celebra oito séculos de escrita em português
Tamanho do texto Aa Aa

“Na era da globalização, falar português, uma das grandes línguas globais do planeta, que partilha e põe em comum culturas da Europa, das Américas, de África e da Ásia e Oceânia, com centenas de milhões de falantes em todos os continentes, é um imenso património e um poderoso veículo de união e progresso.”

Este parágrafo do Manifesto 2014, subscrito por 66 personalidades dos mais diversos setores da sociedade do mundo da lusofonia, simboliza bem a relevância global da língua portuguesa e a importância das comemorações dos 800 anos de uma existência “oficial” que decorreram esta sexta-feira em Lisboa e em Macau.

Nas cerimónias de Lisboa, que decorreram no Padrão dos Descobrimentos, participaram escritores de todos os países que se exprimem oficialmente na língua de Camões e embaixadores e reperesentantes dos oito países de língua oficial portuguesa.

Aos dinamizadores do presente juntaram-se os protagonistas do futuro na afirmação deste imenso património imaterial: 800 crianças lançaram balões com desenhos de artistas plásticos do mundo lusófono. A animação fez-se em torno de danças expressivas de cada um dos países.

A comemoração ocorre a 27 de junho, porque os dinamizadores da iniciativa tomam como marco histórico o Testamento de D. Afonso II, o mais antigo documento régio conhecido escrito já na nossa língua, cuja data provável será 27 de junho de 1214.

Este testamento é até agora o primeiro documento oficial da corte chegado aos nossos dias, mas não será o mais antigo documento escrito em língua portuguesa descoberto até agora. De um período situado entre 1211 e 1216 é conhecida uma Notícia de Torto – “Notícia das malfeitorias de que foi injustamente vítima Lourenço Fernandes da Cunha” e, mais antiga ainda, uma Notícia de Fiadores, datada de 1175.

E se todos os pretextos são bons para a promoção de um tão rico património como a língua, o Testamento de D. Afonso II não é certamente o menos significativo.

Macau também celebrou

Em Macau, as comemorações decorreram na Escola Portuguesa com uma cerimónia de lançamento de balões na qual participaram responsáveis ligados à divulgação da língua e cultura portuguesas na Região.

Além do cônsul-geral Vítor Sereno, associaram-se ao movimento o diretor da Escola Portuguesa de Macau, Manuel Machado, o diretor do Instituto Português do Oriente, João Laurentino Neves, o presidente do Instituto Internacional de Macau, Jorge Rangel, a presidente da Casa de Portugal, Amélia António, e diversos professores de escolas e universidades ou institutos locais.

José Ribeiro e Castro: "A ideia era cruzar esta efeméride com o Mundial da FIFA no Brasil"

Para sabermos como surgiu a ideia de celebrar o “nascimento” de uma língua, falámos com o deputado José Ribeiro e Castro, ex-presidente da Comissão Parlamentar de Educação, Ciência e Cultura, onde o projeto germinou.

Euronews:
Qual é o principal objetivo desta iniciativa?

José Ribeiro e Castro:
O objectivo é, a partir de uma curiosidade – uma língua que faz anos – e em torno quase que de uma graça, celebrarmos a própria língua portuguesa, que é, hoje, uma das mais importantes línguas globais contemporâneas: a terceira língua europeia global, a terceira língua do Ocidente, a língua mais falada no Hemisfério Sul, uma língua em crescimento em todos os continentes e, segundo um estudo recente do Camões e do ISCTE, já a quarta língua mais falada no Mundo.

O português, na verdade, oito séculos depois, é um tesouro de cultura e de comunidade, uma preciosa ferramenta na globalização.

É essa consciência que queremos fortalecer e esse valor que queremos celebrar, olhando sobretudo aos oitocentos anos que estão para a frente – isto é, mais do que apenas memória, orgulho e confiança na língua que partilhamos com centenas de milhões de outros.

E: Como surgiu a ideia destas comemorações?

J.R.C: A ideia foi apresentada na Assembleia da República, em 2012, por um investigador brasileiro, que trabalha em Portugal há vários anos e que é, como eu, um apaixonado pela língua portuguesa e pelo seu alto valor estratégico. Trata-se do professor Roberto Moreno.

A partir de um importante documento de 1214, ele já tinha essa ideia há vários anos, mas só a apresentou à Assembleia da República, em Setembro de 2012, na Comissão de Educação, Ciência e Cultura, de que eu era o presidente.

A ideia, aliás, era mais completa, pois visava também cruzar esta efeméride com o Mundial da FIFA no Brasil, que decorre nesta altura. E a coincidência era ainda maior e mais atraente: tanto a federação portuguesa de futebol, como a brasileira, podem comemorar também os respectivos centenários neste ano – os organismos que lhes deram origem foram fundados em 1914. Seria, de facto, genial consegui-lo, numa grande acção de martketing global; mas isso infelizmente… não conseguimos. Fiz muito esforços, mas, para isso, não encontrei interlocutores motivados.

Depois, a ideia foi pegando por aí e têm surgido várias iniciativas em torno desta mesma imaginação: celebrar oitocentos anos ou oito séculos da língua portuguesa em 2014. Foi formada também, por exemplo, uma associação com este nome e este escopo. E há comemorações variadas ao longo do tempo.

E: Porquê a decisão de tomar como referência histórica o Testamento de D. Afonso II, quando há referências a documentos mais antigos em Língua Portuguesa?

J.R.C: De facto, uma língua não nasce assim num dia só, de repente. Resulta de um processo cultural e social. E há, na verdade, conhecimento de outros documentos – raros – , escritos já em português, nos finais do século XII e princípio do século XIII. Os mais antigos conhecidos datam de 1175 e de 1192, embora a sua datação seja por vezes problemática. E há ainda algumas cantigas trovadorescas, que se pensou serem de finais do século XI, mas ultimamente os investigadores situam no primeiro quartel do século XIII. A língua portuguesa estava, portanto, em fase final de afirmação e autonomização nessa época, no plano popular e social.

O que faz, então, tão importante o Testamento de D. Afonso II, dado em Coimbra, em 27 de Junho de 1214? Quatro coisas: 1º – é um documento considerado escrito já em português e não galaico-portucalense;

2º – não é um texto meramente particular, mas um documento oficial;

3º – não é um documento oficial qualquer, mas um documento do rei, um documento do soberano;

4º – é um documento do soberano, muitos anos antes de outro rei (D. Dinis), em 1290, ter tornado o português língua oficial e obrigatória e que, portanto, pela primeira vez, rompeu com o uso do latim que era a prática comum a esse nível.

o Testamento de D. Afonso II é, em suma, o primeiro documento escrito na nossa língua já adoptada ao mais alto nível de um Estado – justamente o Reino (Portugal) que lhe deu o nome (português) e que, mais tarde, lhe construiria o estatuto.

E: Quantos signatários tem o Manifesto 2014?

J.R.C: São 66 personalidades de Macau ao Brasil, de Portugal a Angola, de Cabo Verde a Moçambique, da Guiné-Bissau a Timor-Leste, incluindo dois presidentes da república, dois primeiros-ministros, um presidente e um vice-presidente de parlamentos nacionais, actuais e antigos membros de governos, dois presidentes de comissões parlamentares, figuras carismáticas e referenciais da História do nosso tempo, diplomatas de primeiro plano, altos responsáveis institucionais e universitários, escritores, músicos, linguístas e professores, gestores culturais e líderes empresariais, editores e jornalistas, deputados de correntes diversas e outras figuras da cultura, do ensino e da expressão em língua portuguesa – compondo, na verdade, um universo muito qualificado, simbólico e representativo de subscritores do MANIFESTO 2014 – 800 ANOS DA LÍNGUA PORTUGUESA.

E: No âmbito deste manifesto estão previstas outras iniciativas no decurso do Ano da Língua Portuguesa?

J.R.C: Como disse, há outras entidades promovendo as mais variadas iniciativas. A ideia pegou. E, como dizemos, isto é como as cerejas: uma coisa puxa outra.

Por exemplo, soube ontem que a Academia Portuguesa de Cinema exibe um documentário muito interessante no próximo dia 2 de Julho. E há várias coisas a mexer a diferentes níveis, em Portugal e no espaço da lusofonia. Isso é muito bom. Por mim, meter-me-ei também noutras de que goste e em que possa contribuir. Esta ideia é, afinal, uma genial operação de relações públicas da língua portuguesa, despertando-nos mais para a sua importância e valor. É fundamental não desperdiçar esta oportunidade.