EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Prémio da Liberdade de Imprensa da UNESCO vai para a Bielorrússia

Entrrega do Pémio Mundial da Liberdade de Imprensa
Entrrega do Pémio Mundial da Liberdade de Imprensa Direitos de autor AFP Vidéo (capture d'écran)
Direitos de autor AFP Vidéo (capture d'écran)
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Associação de Jornalistas da Bielorrússia recebeu o Prémio Mundial da Liberdade de Imprensa, atribuído pela UNESCO

PUBLICIDADE

A Associação de Jornalistas da Bielorrússia (AJB) recebeu o Prémio Mundial da Liberdade de Imprensa, da Unesco

A cerimónia decorreu em Punta del Este, no Uruguai, onde está a decorrer a conferência global sobre a Liberdade de Imprensa, e o prémio foi entregue ao presidente da associação, Andrei Bastunets que garante que os jornalistas bielorrussos vão continuar a defender a informação

"Quero agradecer a todos os meus colegas que continuam a trabalhar na Bielorrússia. Por vezes dizem que já não há jornalismo na Bielorrússia - isso não é verdade. As pessoas trabalham na Bielorrússia. Redações inteiras estão a trabalhar na Bielorrússia, apesar das severas ameaças e da enorme pressão a que os jornalistas estão sujeitos".

A associação recebeu o prémio pelo esforço na preservação da liberdade de imprensa na Bielorrússia, onde os jornalistas são ameaçados e forçados a fugir.

Andrei Bastunets teve de abandonar o país no ano passado e a sua participação nesta gala não foi anunciada por razões de segurança.

A diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, abriu a cerimónia a falar sobre a perseguição de jornalistas em todo o mundo.

"De acordo com os nossos dados, um total de 884 perderam a vida só por fazerem o seu trabalho entre 2012 e 2021. Quase 9 em cada 10 destes assassinatos ficam por resolver e continuam sem ser punidos", disse.

O Jornalismo vive uma era de grandes desafios como a opressão política, as notícias falsas, a desconfiança do público, a desinformação, assim como os riscos decorrentes das tecnologias de informação. 

A Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ) denuncia a espionagem informática de que os jornalistas são alvo.

Com este prémio, a UNESCO recorda a importância do jornalismo rigoroso e verdadeiro, um pilar fundamental da democracia.

O Parlamento Europeu assinalou a data, lembrando que a Liberdade de Imprensa é um dos valores fundamentais da União Europeia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eurodeputados tentam fortalecer legislação sobre liberdade de imprensa

Repórteres sem Fronteiras aponta o dedo à desinformação

Opositora de Lukashenko nos cuidados intensivos