EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Eurodeputados tentam fortalecer legislação sobre liberdade de imprensa

A lei é conhecida como "Lei Daphne" por causa da jornalista maltesa assassinada devido ao seu trabalho de investigação
A lei é conhecida como "Lei Daphne" por causa da jornalista maltesa assassinada devido ao seu trabalho de investigação Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Maria Psara, Isabel Marques da Silva (Trad.)
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Comissão dos Assuntos Jurídicos do Parlamento Europeu (JURI) aprovou, terça-feira, uma diretiva que visa proteger os jornalistas e os defensores dos direitos humanos que enfrentam processos judiciais destinados a silenciá-los.

PUBLICIDADE

A comissão JURI aprovou a diretiva com 15 votos a favor, um contra e uma abstenção; e dossiê será apresentado ao plenário do Parlamento Europeu, em meados de julho. Se for aprovada, a proposta constituirá a posição do Parlamento para as negociações com os Estados-membros.

A diretiva foi proposta pela Comissão Europeia, em abril de 2022, com o objetivo de pôr fim a ações judiciais manifestamente infundadas contra jornalistas e defensores dos direitos humanos.

Alegislação estabelecerá, também, várias salvaguardas processuais e vias de recurso, como a indemnização por danos e sanções dissuasivas para o lançamento de processos judiciais abusivos.

Denominadas SLAPP (ações judiciais estratégicas contra a participação pública), no acrónimo em Inglês, estes processo judiciais são uma forma de assédio utilizada principalmente contra jornalistas e defensores dos direitos humanos, para impedir ou penalizar a intervenção em questões de interesse público. 

A sua utilização tem vindo a aumentar, na última década, em toda a UE e no mundo, tendo o executivo comunitário feito a proposta de diretiva, apelidada de "Lei Daphne" em homenagem à jornalista maltesa Daphne Caruana Galizia, assassinada por causa do seu trabalho de jornalismo investigativo.

Difícil negociação pela frente

As negociações interinstitucionais, conhecidas como trílogos, deverão ser difíceis, uma vez que os eurodeputados acusam os Estados-membros, que formam o Conselho da UE, de tentar enfraquecer as tentativas e reforçar a proteção dos jornalistas e da liberdade de imprensa.

A Comissão Europeia também repreendeu os Estados-membros relativamente a esta questão.

"Gostaria de lamentar o enfraquecimento das medidas contra os processos judiciais abusivos, em especial a supressão da disposição relativa à indemnização dos danos e o enfraquecimento da disposição relativa à atribuição das custas", afirmou Didier Reynders, Comissário para a Justiça, no início do mês, depois de os Estados-membros terem chegado a acordo sobre a sua posição negocial.

O eurodeputado alemão Tiemo Wölken (S&D), relator da proposta de diretiva, afirmou, no entanto, que o Parlamento Europeu "tornou-a mais forte e também acrescentou outras disposições, como a criação de um 'balcão único' que os alvos de SLAPP podem contactar para receber ajuda de redes nacionais dedicadas de advogados especializados, juristas e psicólogos".

Uma lei "quase inútil" sobre a liberdade de imprensa

Não é a primeira vez que os Estados-membros são acusados de tentar diluir uma proposta sobre a liberdade de imprensa.

No início deste mês, um acordo entre os 27 Estados-membros sobre a Lei Europeia da Liberdade de Imprensa (LELI) causou polénica, devido a uma isenção para permitir a escuta de jornalistas.

O regulamento, proposto pela primeira vez pela Comissão em setembro de 2022, incluía salvaguardas contra a interferência política nas decisões editoriais e contra a vigilância. 

O executivo da UE quis colocar a tónica na independência e no financiamento estável dos meios de comunicação social de serviço público, bem como na transparência da propriedade dos meios de comunicação social e na atribuição de publicidade estatal.

"Acolhemos com especial agrado, como símbolo político, o projeto de regulamento para o LELI, uma vez que a Comissão adoptou, pela primeira vez, um ato legislativo que diz respeito a todos os meios de comunicação social, um assunto tradicionalmente sensível e tratado apenas a nível nacional", disse Renate Schroeder, diretora da Federação Europeia de Jornalistas (FEJ), à euronews.

No entanto, outras organizações não-governamentais criticaram a proposta por não ser "suficientemente ambiciosa".

"Em particular, consideramos que o artigo 4º, relativo à proteção das fontes dos jornalistas e à proteção contra a vigilância, não cumpre as normas do Conselho da Europa. Também defendemos regras vinculativas mais fortes em matéria de transparência dos media", acrescentou Renate Schroeder.

PUBLICIDADE

No entanto, os Estados-membros estão a tentar acrescentar uma isenção ao artigo 4.º, introduzida pela França e com a oposição apenas da Alemanha, que lhes permitiria espiar os jornalistas em nome da segurança nacional.

A proposta original pretendia garantir que os governos não poderiam "deter, sancionar, intercetar, submeter a vigilância ou efetuar buscas e apreensões" de jornalistas para descobrir as suas fontes, a não ser que tal se justificasse por uma "exigência imperiosa de interesse público", enquanto a utilização de software de espionagem deveria ser limitada apenas a "crimes graves".

O Conselho pretende alargar de 10 para 32 o número de infrações que permitem esta vigilância.

"O texto já não protege os jornalistas e torna a lei quase inútil, pelo menos para a proteção dos jornalistas", afirmou Schroeder.

"O texto ainda propõe ferramentas úteis no que diz respeito à independência dos meios de comunicação social de serviço público, à transparência da publicidade estatal, a algumas regras mínimas sobre a propriedade dos meios de comunicação social e à independência editorial. Mas, sim, alguns Estados-membros têm medo do jornalismo e, por isso, dão as mãos a países pouco liberais, como a Hungria, que se opõem a esta lei. Esperamos que o Parlamento Europeu seja firme, mas não estamos muito otimistas", sublinhou o diretor da FEJ.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Acordo sobre nova diretiva da UE para travar perseguição judicial de denunciantes

Prémio da Liberdade de Imprensa da UNESCO vai para a Bielorrússia

3 de maio: Dia da Liberdade de Imprensa