EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Antigo PM russo quer país sem Putin

Mikhail Kasyanov, antigo primeiro-ministro russo.
Mikhail Kasyanov, antigo primeiro-ministro russo. Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews com AP
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Mikhail Kasyanov defende a necessidade de uma “desputinização” da Rússia.

PUBLICIDADE

Mikhail Kasyanov, primeiro-ministro de Vladimir Putin entre 2000 e 2004, deu sua opinião sobre a guerra na Ucrânia, numa entrevista em vídeo feita pela AFP. O antigo governante, que sempre defendeu um estreitamento de relações com o Ocidente, argumenta a necessidade da existência de uma “desputinização” da Rússia.

"Deve haver uma desputinização. Serão necessários dez anos para a realizar, para restabelecer e reforçar a confiança com o mundo civilizado, principalmente com os países da União Europeia"
Mikhail Kasyanov
Antigo primeiro-ministro russo

Kasyanov diz que Vladimir Putin construiu, nos últimos 20 anos, um sistema baseado na impunidade e no medo e defendeu que se a Ucrânia for conquistada pelos russos, a ofensiva não ficará por aqui.

"Penso que, se a Ucrânia cair, os Estados Bálticos serão os próximos"
Mikhail Kasyanov
Antigo PM russo

O antigo chefe de Estado disse que o sistema russo, com o encorajamento de Putin, começou a funcionar de uma forma mais cínica e cruel do que nas fases finais da União Soviética. Kasyanov reiterou ainda o facto do sistema russo se basear na impunidade e na falta de responsabilidade.

Após ter sido demitido por Vladimir Putin, Mikhail Kasyanov juntou-se à oposição russa e, desde então, é um dos maiores críticos do Kremlin. 

Recorde-se que a Rússia invadiu a Ucrânia há mais de 100 dias. Nas últimas semanas , as atenções têm estado voltadas para Severodonetsk, cidade estratégica no leste do país, alvo de uma forte ofensiva russa. Entretanto, noutras zonas do país, os combates intensificam-se.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Russos “negam responsabilidade coletiva”

"Delicioso e ponto final"

A fuga de talentos da Rússia: Milhares saem do país desde o início da guerra na Ucrânia