Milhares de britânicos protestam contra o aumento do custo de vida no Reino Unido

Protesto contra aumento do custo de vida coloca Boris Johnson no alvo
Protesto contra aumento do custo de vida coloca Boris Johnson no alvo Direitos de autor Yui Mok/PA via AP
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Boris Johnson é um dos maiores rostos do Brexit e agora também do alvo de quem reclama pela perda de poder de compra no Reino Unido

PUBLICIDADE

Decorreu uma manifestação em Londres contra o aumento do custo de vida no Reino Unido. mO protesto foi organizado pelo Congresso da União de Sindicatos (TUC, na sigla anglófona) e juntou milhares de pessoas nas ruas da capital britânica.

Boris Johnson, um dos maiores rostos do Brexit, esteve no alvo dos manifestantes. O primeiro-ministro tem sido muito criticado por não estar a conseguir contrariar o agravamento da crise.

Os manifestantes exigem um "aumento decente dos salários dos funcionários públicos" e um limite mínimo de de 15 libras à hora de salário mínimo (17,5 euros/hora).

A manifestação aconteceu no mesmo dia que o jornal The Guardian tinha como manchete da versão impressa do jornal um "enorme corte" no financiamento de "escolas, piscinas e bibliotecas" devido a buraco de 1,7 mil milhões de libras (quase 2 mil milhões de euros) encontrados nas contas dos governos regionais britânicos.

O buraco terá sido provocado pela fulminante inflação e pelo aumento dos preços da energia, que terá obrigado os autarcas a pagar as contas com recurso ao orçamento previsto para outros planos municipais.

De acordo com o jornal, as autoridades locais já terão solicitado ao governo central financiamento extra para enfrentarem o agravamento acentuado das despesas.

Inevitável, além do corte nos investimentos planeados, parece ser também a imposição de um novo imposto municipal no próximo ano.

As medidas noticiadas pelo Guardian, a confirmarem-se, irão inflamar ainda mais o descontentamento dos britânicos, que, devido à pandemia e agora aos efeitos da guerra na Ucrânia, ainda não sentiram devidamente o impacto da saída da União Europeia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Apple vai integrar pela primeira vez um sindicato nos Estados Unidos

EUA e Reino Unido atacam alvos Houthi no Iémen depois de um navio ter sido atingido no Mar Vermelho

Velha guarda do rock em peso na abertura da Gibson Garage