This content is not available in your region

Argélia investe no sistema educativo para impulsionar crescimento económico

De  euronews
euronews_icons_loading
Argélia investe no sistema educativo para impulsionar crescimento económico
Direitos de autor  euronews

Em _Algeria Tomorrow ve_mos como a Argélia aposta no desenvolvimento humano e na educação para assegurar o seu crescimento.

Na véspera da sua independência, há 60 anos, havia apenas algumas centenas de estudantes argelinos aqui na Universidade Central de Argel, que era a única do país e era francesa. Hoje, a Argélia tem várias dezenas de universidades e centros de investigação, mais de um milhão e meio de estudantes... E muitos novos desafios pela frente.
CYRIL FOURNERIS
EURONEWS

Uma das prioridades da Argélia independente era erradicar o analfabetismo da altura (estimado em 85% da população, em 1962). O ensino gratuito e obrigatório aumentou a taxa de alfabetização para mais de 81%. Entre os jovens entre os 15-25 anos, esta taxa aproxima-se agora dos 100%.

Outra prioridade tem sido permitir que os argelinos assumam o desenvolvimento económico do país. Em 1974, o arquiteto Oscar Niemeyer concebeu a Universidade de Ciência e Tecnologia Houari Boumediène, em Argel. Mais de 100 mil dos seus licenciados trabalham agora na Argélia e em todo o mundo, para o orgulho do reitor.

Na altura, havia 2.000 estudantes para começar esta universidade, que durante muito tempo teve o papel de formação de quadros. Agora há 50.000 estudantes.
DJAMAL-EDDINE AKRETCHE
REITOR DA UNIVERSIDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA HOUARI-BOUMEDIENE (USTHB)

"E há cada vez mais estudantes do sexo feminino também, disse o jornalista da euronews, Cyril Fourneris.

Sim, de facto, o que podemos ver é que quase 60% do corpo estudantil é do sexo feminino. Eu diria que isto é uma novidade porque lembro-me que nos anos 70 e 80, nas ciências tecnológicas e básicas, isto não ultrapassava os 10%.
DJAMAL-EDDINE AKRETCHE
REITOR DA UNIVERSIDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA HOUARI-BOUMEDIENE (USTHB)
Falamos muito sobre empreendedorismo, start-ups, incubadoras... A Universidade (USTHB) vai assumir estes termos e isto começou com muita interação com o sector socioeconómico, por um lado, e, por outro, para mudar a mentalidade do estudante, dizendo "vocês devem ser criadores de riqueza e não candidatos a um emprego.
DJAMAL-EDDINE AKRETCHE
REITOR DA UNIVERSIDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA HOUARI-BOUMEDIENE (USTHB)

Esta ideia propagou-se através dos 73 laboratórios de investigação da Universidade. Um estudante de farmacologia está a testar um creme cosmético.

Graças a esta formação, talvez um dia eu possa gerir a minha própria empresa, talvez inventar o meu próprio creme, que todos comprariam... esse é o meu objetivo!
RYM ARABDIOU
estudante

Foi lançado um mestrado profissional em parceria com empresas nacionais, visto que a Argélia pretende ser líder regional na produção de medicamentos.

Atualmente, nós (a Argélia) conseguimos cobrir até 70% das necessidades da população argelina com genéricos e planeamos também participar nas exportações, para a África Oriental ou Ocidental".
KAMEL DAOUD
PROFESSOR-INVESTIGADOR NA USTHB

O espírito empreendedor está cada vez mais presente entre os estudantes argelinos. Isto é particularmente verdade aqui, na Escola Superior de Negócios Argelina. Aos 20 anos, durante o seu primeiro ano, Rania criou o clube de negócios da escola com o seu colega de turma Aymen. Os dois estudantes já sonham em gerir o seu próprio negócio.

Tenciono trabalhar numa empresa, nas "Quatro Grandes " [as 4 maiores empresas de auditoria do mundo]. Quero criar indústria [na Argélia] e tenho uma visão que está orientada para os países subsarianos.
AYMEN AIT HAMOUDA
Estudante
Penso que o setor dos eventos está muito na moda neste momento... Gostaria de investir aqui na Argélia porque é um território de oportunidades que está em pleno desenvolvimento, por isso estaria muito interessado em estabelecer-me aqui e desenvolver o meu projeto a Argélia, no futuro.
RANIA BENZERHOUNI
Estudante

A ESAA, uma escola pública fundada em 2004 e fruto da cooperação franco-argelina, é hoje uma das melhores escolas de negócios em África. A abertura ao mundo está no seu ADN. E muitos dos seus estudantes continuam os estudos no estrangeiro.

A mobilidade é uma parte integrante de qualquer formação ou curso profissional. Partir para melhor regressar é um dos credos dos alunos e ex-alunos da escola... Por isso, não temos medo desta abertura. A prova é que muitos dos nossos ex-alunos ainda estão aqui a trabalhar em posições muito elevadas.
KARIM KIARED
DIRETOR-GERAL DA ESCOLA SECUNDÁRIA ARGELINA DE NEGÓCIOS (ESAA)

Um dos desafios do desenvolvimento humano na Argélia será de facto oferecer a oportunidade de crescerem no seu país, a um máximo de estudantes