EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Bruxelas pressiona Atenas devido ao escândalo das escutas telefónicas

Comissão Europeia avisa governo grego
Comissão Europeia avisa governo grego Direitos de autor KENZO TRIBOUILLARD/AFP
Direitos de autor KENZO TRIBOUILLARD/AFP
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Comissão Europeia enviou uma mensagem forte ao governo grego, devido ao escândalo das escutas telefónicas de um líder da oposição e dois jornalistas

PUBLICIDADE

A Comissão Europeia enviou uma forte mensagem ao governo grego, que está sob extrema pressão, devido ao escândalo das escutas telefónicas na Grécia, envolvendo o deputado e líder do terceiro maior partido da Grécia, Nikos Androulakis e dois jornalistas gregos.

A porta-voz da Comissão Europeia, Annita Hipper,, em resposta à euronews, disse que a Comissão está em contacto com as autoridades gregas para esta questão e salientou que já alertou para a questão da vigilância dos jornalistas que o governo tem vindo a minimizar há meses.

"Qualquer tentativa dos serviços de segurança nacional de aceder ilegalmente aos dados dos cidadãos, incluindo jornalistas e opositores políticos, se confirmada, é inaceitável. E os Estados membros são competentes para salvaguardar a sua segurança nacional e devem supervisionar e controlar os seus serviços de segurança para garantir o pleno respeito pelos direitos fundamentais. Além disso, a investigação de tais questões é da responsabilidade de cada Estado membro e a Comissão espera que as autoridades nacionais examinem minuciosamente tais alegações para restabelecer a confiança dos cidadãos".

O escândalo rebentou na semana passada no meio da crescente preocupação na União Europeia sobre a utilização de software de espionagem e tem provocado um enorme debate na Grécia, com os partidos da oposição a rotularem as revelações do primeiro-ministro, Kyriakos Mitsotakis, de Watergate pessoal do Serviço Nacional de Informações, sob a sua própria autoridade.

Face à tensão crescente, o parlamento grego retoma os seus trabalhos antes do previsto, no dia 22 de agosto, após o principal partido da oposição, o SYRIZA, ter solicitado uma discussão plenária sobre o escândalo das escutas telefónicas. O pedido do debate foi aceite pelo governo.

A jornalista da Euronews, Efi Koutsokosta, que tem acompanhado o desenvolvimento deste escândalo refere: "O governo grego ainda insiste que a vigilância do líder do PASOK não foi ilegal, mas não deu qualquer resposta sobre a razão pela qual Nikos Androulakis precisava de estar sob o radar do Serviço de Informações.

A Comissão Europeia está preocupada desde as revelações desde que, há meses, dois jornalistas gregos também foram espiados pelo serviço nacional de informações e incluiu estes casos no relatório sobre a situação do Estado de direito na Grécia, divulgado a 13 de julho. A Comissão apela também ao governo para fazer mais para garantir a segurança dos jornalistas e a liberdade de imprensa no país".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bruxelas quer esclarecer escândalo de espionagem na Grécia

Putin substitui ministro da Defesa. Shoigu será secretário no Conselho de Segurança da Rússia

As nove prioridades de Luís Montenegro para as primeiras semanas do Governo