EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Rússia intensifica ataques no leste e sul da Ucrânia

Familiares choram a morte de Volodymyr Yezhov, voluntário ucraniano morto em combate, Kiev, Ucrânia
Familiares choram a morte de Volodymyr Yezhov, voluntário ucraniano morto em combate, Kiev, Ucrânia Direitos de autor Efrem Lukatsky/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Efrem Lukatsky/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente Volodymyr Zelenskyy apresenta objetivos nacionais para 2023.

PUBLICIDADE

Ainda longe de um fim diplomático à vista, o leste e o sul da Ucrânia voltaram a estar na mira do fogo russo. A ofensiva de Moscovo, esta terça-feira, chegou horas depois de o Kremlin ter reforçado as exigências impostas a Kiev para colocar um termo à guerra.

Apesar da retirada russa de Kherson, os ucranianos continuam a chorar as vítimas dos bombardeamentos que não cessam. Ainda esta madrugada, a Rússia bombardeou uma maternidade da cidade no sul do país. Nenhuma vítima foi registada.

Noutra frente, a Ucrânia tenta travar um desastre humanitário devido às baixas temperaturas que se fazem sentir durante o inverno. As autoridades ucranianas estão a fazer todos os esforços para restaurar a rede elétrica no país e permitir à população entrar no Ano Novo com luz.

Zelenskyy anuncia objetivos para 2023

Mas as hostilidades parecem vir apenas reforçar os apelos de Volodymyr Zelenskyy à comunidade internacional. 

Numa mensagem virada para um "futuro próximo", o presidente ucraniano traçou já as metas para 2023, que, após a libertação da Rússia, passam pela "restauração da Ucrânia, o regresso do nosso povo a casa, uma maior aproximação do nosso Estado a parceiros-chave, a abertura de novas oportunidades para a Ucrânia no mundo". 

Nações ex-soviéticas reunidas na Rússia

A Ucrânia prepara-se no entanto para reforçar a defesa na fronteira com a Bielorrússia. A medida surge em resposta à parceira reforçada entre Vladimir Putin e Alexandr Lukashenko, na reunião das nações ex-soviéticas, esta terça-feira em São Petersburgo.

Apesar das crescentes perdas humanas e materiais e do crescente isolamento internacional, o Presidente russo não se mostra disposto a mudar de táctica. Numa recente entrevista à televisão russa, Putin afirmou que o seu ataque à Ucrânia visa "unir o povo russo".

Putin veta exportação de petróleo

Vladimir Putin estendeu as hostilidades à restante comunidade internacional e decretou que, a partir de fevereiro e durante cinco meses, está proibida a exportação de produtos petrolíferos aos países que impuseram um teto aos preços do petróleo russo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia encomenda quatro submarinos nucleares

Zelenskyy diz que Ucrânia deve estar "preparada para qualquer cenário"

Pelo menos seis feridos em ataque aéreo russo a zona residencial de Kostiantynivka