EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

EUA acusam Moscovo de colocar em risco segurança alimentar global

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken
O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken Direitos de autor Bebeto Matthews/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Bebeto Matthews/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken, acusou a Russia de agressão à segurança alimentar global.

PUBLICIDADE

Os Estados Unidos acusaram, esta quinta-feira, a Rússia, perante o Conselho de Segurança da ONU, de chantagem e agressão à segurança alimentar global ao abandonar o acordo de cereais do Mar Negro.

"Devemos abordar a guerra de agressão da Rússia contra a Ucrânia e o ataque resultante ao sistema alimentar global", disse o secretário de Estado dos EUA. "Desde que a Rússia saiu do acordo a 17 de julho, ignorando os apelos mundiais, os preços dos cereais subiram mais de 8% em todo o mundo. O Ministério dos Negócios Estrangeiros do Quénia designou a decisão russa como 'uma facada nas costas'", afirmou Antony Blinken. 

"Qual tem sido a resposta da Rússia à angústia e indignação do mundo? Bombardear celeiros ucranianos. Minar entradas de portos. Ameaçar atacar qualquer navio no Mar Negro. Não importa a sua bandeira. Não importa a sua carga", continuou Blinken. 

Os ataques russos das duas últimas semanas têm atingido em particular infraestruturas portuárias. Segundo o ministro ucraniano das infraestruturas, os ataques de quarta-feira ao Danúbio danificaram perto de 40 mil toneladas de cereais para países africanos, China e Israel.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Assembleia Geral da ONU aprova "trégua" em Gaza; Israel e EUA votam contra

Conselho de Segurança sem unanimidade mas Irão marca posição na ofensiva do Hamas

"Vida na Ucrânia continua a ser um inferno", conclui Conselho de Segurança da ONU