PM irlandês: UE pode evitar bloqueio da ajuda à Ucrânia

Leo Varadkar
Leo Varadkar Direitos de autor Euronews
De  Angela Barnes
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Leo Varadkar acredita que o Conselho Europeu irá votar a aprovação de um fundo de 50 mil milhões de euros para a Ucrânia, em fevereiro.

PUBLICIDADE

O primeiro-ministro irlandês acredita que o Conselho Europeu irá aprovar o fundo de ajuda a Kiev. Leo Varadkar afirma que a luta pela Ucrânia é uma "luta pelos valores europeus mais alargados".

"Estaremos ao lado da Ucrânia durante o tempo que for necessário e a Ucrânia precisa de apoio financeiro da União Europeia, dos EUA e de outros aliados", disse o primeiro-ministro à Euronews, à margem do Fórum de Davos . 

Para Varadkar, será possível para o Conselho Europeu aprovar um novo pacote de 50 mil milhões de euros de subvenções e empréstimos para a Ucrânia na sua próxima reunião, a 1 de fevereiro.

Mas se não for possível à UE chegar a um acordo - com a Hungria a bloquear o processo até à data - os países devem atuar em conjunto para prestar a assistência necessária à Ucrânia.

"Preferia que o fizéssemos com base na unanimidade. Mas temos de ter um plano B e uma opção de recurso. E, para mim, os governos que estão dispostos e são capazes de apoiar a Ucrânia [...] fá-lo-iam numa base multilateral", defendeu.

Varadkar afirmou que a "grande maioria" dos governos europeus é a favor da aprovação do pacote de ajuda do Conselho Europeu.

No início desta semana, a Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, afirmou que a UE encontrará uma forma, se necessário, de contornar o veto do primeiro-ministro húngaro e aprovar o fundo especial para a Ucrânia.

O pacote, que se destina a dar apoio financeiro a Kiev até 2027 e a colmatar o défice público crescente do governo, está a ser travado pela Hungria.

Depois de uma cimeira dramática em meados de dezembro, em que Orbán cumpriu a sua ameaça e fez descarrilar a votação unânime, os líderes da UE deverão voltar a reunir-se no dia 1 de fevereiro para fazer uma segunda tentativa do chamado Mecanismo Ucrânia.

"Penso que é muito importante envolver todos os 27 Estados-membros para que os 50 mil milhões de euros para a Ucrânia, durante quatro anos, estejam prontos e a funcionar", disse von der Leyen aos jornalistas, em Davos, na terça-feira.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Extrema-direita ganha força na Irlanda

Manifestação contra motins xenófobos em Dublin

34 detidos em protestos violentos em Dublin após esfaqueamento de crianças