Ativista russo faz campanha na Arménia

Yuri Alekseyev
Yuri Alekseyev Direitos de autor AP
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Yuri Alekseyev mudou-se em maio de 2022, depois de a Rússia ter lançado a sua intervenção na Ucrânia.

PUBLICIDADE

No interior da Arménia, a cerca de duzentos quilómetros da capital Erevan, o ativista político russo Yuri Alekseyev construiu uma cabana nas montanhas que fazem fronteira com a Geórgia e o Azerbaijão.

Alekseyev vivia numa cabana subterrânea semelhante numa floresta na Rússia. Advogado e programador de profissão, o blogger e ativista de 50 anos mudou-se para a Arménia em maio de 2022, pouco depois de a Rússia lançado aquilo a que chamou de "operação militar" na Ucrânia.

"Logo que a guerra começou, pendurei uma faixa com a inscrição "Não à guerra" perto da minha casa. Fui imediatamente detido.__Deram-me 15 dias de prisão. Cumpri a minha pena e apercebi-me que, se ficasse na Rússia, ficaria preso durante muito tempo", conta Alekseyev.

Ocasionalmente, o ativista pode ser visto em frente à embaixada russa em Erevan, exibindo uma faixa de duas faces onde está escrito: "Sou russo, Putin é um assassino" e "Sou a favor de mudanças".

A Rússia de Vladimir Putin evoluiu de um país que tolerava alguma dissidência para um país que a reprime impiedosamente. As detenções, os julgamentos e as longas penas de prisão são comuns, sobretudo depois de Moscovo ter lançado a sua campanha na Ucrânia.

"Desde que me mudei, há dois anos, tenho promovido incansavelmente a ideia junto dos arménios e dos russos, encorajando-os a votar contra Putin, a serem socialmente ativos e a e a lutar pela democracia. Explico o que aconteceu na Rússia porque as pessoas deixaram de lutar pela democracia", diz Alekseyev. 

Uma nova lei repressiva, aprovada dias depois do início da campanha russa na Ucrânia, criminalizou qualquer crítica pública à mesma. Os protestos tornaram-se efetivamente impossíveis, com a polícia a dispersar rapidamente os ajuntamentos não autorizados.

O número de detenções, processos penais e julgamentos disparou e as longas penas de prisão tornaram-se comuns.

Para além dos seus opositores políticos, o Kremlin tem agora também como alvo grupos de defesa dos direitos humanos, meios de comunicação social independentes e outros membros de organizações da sociedade civil, ativistas LGBTQ+ e certas filiações religiosas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE e Ucrânia estudam tribunal especial para Putin e oficiais de guerra

Antony Blinken: "Ucrânia vai tornar-se membro da NATO”

75 anos da NATO: Ucrânia foi à festa em Bruxelas mas levou pedido - mais mísseis Patriot