EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Bacu: Diálogo Intercultural no Azerbaijão

Bacu: Diálogo Intercultural no Azerbaijão
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O mundo tem assistido, nos últimos tempos, ao nascer e ao renovar de guerras e conflitos, em várias regiões do globo. Para discutir e perceber as

PUBLICIDADE

O mundo tem assistido, nos últimos tempos, ao nascer e ao renovar de guerras e conflitos, em várias regiões do globo. Para discutir e perceber as razões, centenas de líderes religiosos, estudiosos e políticos, reuniram-se em Bacu, a capital do Azerbaijão, no 3° Fórum Mundial para o Diálogo Intercultural, promovido pelas Nações Unidas e pelo Conselho da Europa.

O encontro tem o patrocínio do Presidente azeri, Ilham Aliyev, e é subordinado ao tema “Cultura e desenvolvimento sustentável na agenda para o desenvolvimento pós 2015”. Aqui discutem-se os objetivos alcançados, até agora, em questões relacionadas com o diálogo intercultural, promovendo a compreensão recíproca entre os povos e as nações.

“Temos aqui, hoje, representantes de mais de 100 países. É muito importante que estas pessoas venham ao Azerbaijão para partilhar as suas opiniões pois existem, no mundo, muitos locais com conflitos… Conflitos com sangue… Há batalhas a decorrer na Europa e também na nossa região. Neste caso, o Azerbaijão é como uma ilha sólida na região”, assegura o anfitrião.

Com os extremismos e a violência a aumentar, no mundo, conseguir reunir, no mesmo espaço pessoas de tão diversas proveniências, é já um grande passo.

“Ter na mesma sala imãs, rabis, representantes dos Estados do Golfo… Pessoa de países em guerra, que não falam umas com as outras, é já muito positivo. Para ter um futuro melhor, precisamos de uma melhor educação. Temos de ter valores comuns, valores esses que têm de ser, realmente, praticados. É preciso sair da teoria. Creio que vai ser um caminho longo e difícil, pois, de momento, o mundo não é muito seguro e está muito mais violento do que há 10 anos”, assegura a senadora francesa, Nathalie Goulet.

Os atos de barbárie extrema praticados pelos grupos Estado Islâmico, no Iraque e na Síria, e o Boko Haram, na Líbia e Nigéria, foram também abordados, ficando clara a necessidade de se encontrar uma solução.

O arcebispo de Abuja, John Onaiyekan Archbishop, acredita que na Nigéria “o Boko Haram representa um pequeno grupo de muçulmanos que são fanáticos e terroristas. Os restantes muçulmanos, na Nigéria, são pessoas pacíficas. Mas existirá essa divisão e até que consigamos resolver as divisões internas de cada religião, não podemos lidar com a necessidade de reconciliação em todo o lado. Temos o mesmo problema com o cristianismo, não estamos unidos.”

Para a diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, a resolução dos principais conflitos mundiais passa por uma maior aposta na educação. “A situação no mundo é, realmente, preocupante. Vemos mais conflitos e eles estão a mudar… Tornámo-nos mais intolerantes. Penso que não se deu atenção suficiente à cultura, ao nosso património cultural e à diversidade cultural. Não demos atenção suficiente aos programas educacionais. Penso que temos de mudar o conteúdo dos livros escolares. Temos de estudar mais história. Temos de conhecer a nossa própria cultura e a dos outros”, remata.

No decorrer das conversas, sobressaiu uma ideia: é necessário que todos os povos respeitem as diferenças e que a tolerância tem de ser a palavra de ordem.

“Temos de aprender a viver juntos, com a nossa diversidade, sem nos matarmos. É essa a esperança, é esse o grande projeto. O projeto mais pequeno é olhar para as estratégias, olhar para as políticas, olhar para as coisas que funcionam, para que possamos viver juntos”, afirma Paul Morris, da UNESCO.

A participar neste 3° Fórum Mundial para o Diálogo Intercultural, em Bacu, no Azerbaijão, está, também, o Secretário de Estado do Turismo, Adolfo Mesquita Nunes, em representação do governo de Portugal.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidente do Azerbaijão apela que países petrolíferos paguem para resolver problemas climáticos

O fórum intercultural de Baku visa promover o respeito e a compreensão através do diálogo

Paz e segurança global no topo da agenda do Fórum Mundial sobre o Diálogo Intercultural