EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Açafrão": O "ouro vermelho" do Irão

Açafrão": O "ouro vermelho" do Irão
Direitos de autor 
De  Euronews com euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Um grama desta especiaria chega a custar mais de 60 euros, sensivelmente o dobro da cotação atual do ouro. Irão espera exportar açafrão em nome próprio assim que as sanções forem levantadas.

PUBLICIDADE

Chamam-lhe o “ouro vermelho” ou o “ouro do deserto” e a comparação com o metal precioso assenta bem ao açafrão. Um grama desta especiaria chega a custar mais de 60 euros, sensivelmente o dobro da cotação atual do ouro.

O Irão é responsável por cerca de 90% da produção mundial, mas os agricultores e empresas locais não conseguem exportar em nome próprio.

Como explica Rasoul Bolbol, diretor de uma quinta, as práticas agrícolas permitem obter um “produto orgânico e saudável. Mas, infelizmente, (o açafrão) é exportado para outros países por comerciantes (estrangeiros) que utilizam as suas próprias marcas”.

A exportação por grosso do açafrão não é a mais favorável para os agricultores iranianos, já que o preço é substancialmente mais baixo do que se for vendido a retalho.

Depois de décadas de isolamento internacional, o Irão espera agora ter mais margem para exportar o açafrão em nome próprio, como explica Hadi Movahedan, responsável de uma associação de produtores:

“Agora que as sanções vão ser levantadas, deveremos ser capazes de planear com exatidão as exportações de açafrão já embalado com a nossa própria marca para os países de destino. Também estamos a pensar realizar ações de marketing nesses países para ajudar as exportações de açafrão”.

Especiaria preciosa, utilizada na alimentação, mas também na cosmética e na medicina, o açafrão é cultivado há mais de 3000 anos no Irão. Para produzir um quilo é necessária uma área de cultivo equivalente a dois campos de futebol.

Segundo o correspondente da euronews no Irão, Javad Montazeri, “o ‘ouro vermelho’ do Irão é bem conhecido no mundo mas ainda não teve sucesso a conseguir a quota que as marcas iranianas merecem nos mercados internacionais. No entanto, os produtores iranianos esperam conseguir colocar as suas marcas nos mercados assim que as sanções sejam levantadas”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alternativa ao lítio: Pode o manganésio substituir as baterias de lítio dos veículos elétricos?

Banco Central Europeu corta taxas de juro em linha com as expetativas do mercado

Riqueza das nações: o fosso cada vez maior entre ricos e pobres na Europa