EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Desenvolvimento africano em foco em mais um Fórum Crans Montana

Desenvolvimento africano em foco em mais um Fórum Crans Montana
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Foi a quarta edição do encontro na cidade de Dakhla, no Saara Ocidental.

PUBLICIDADE

O Fórum Crans Montana voltou a Dakhla. Foi a quarta vez que o encontro teve lugar no Saara Ocidental. Mais de mil participantes de 100 países debateram a cooperação sul-sul, com especial atenção para continente africano.

Os representantes africanos pediram mais investimento na região. Investimento que deve vir, explocaram, também, de países de África. Foi o que disse à Euronews o primeiro-ministro marroquino, Saadeddin el-Othmani.

“Há todo um despertar africano que implica o desenvolvimento de relações entre os países africanos a vários níveis. Falamos de cooperação económica, mas também cultural e comercial,” disse el-Othmani.

“Temos de intensificar a cooperação a todos os níveis entre países africanos. Infelizmente, os intercâmbios comerciais entre países africanos são ainda demasiado fracos,” lamentou-

Goodwill Zwelithini kaBhekuzulu, o rei da nação zulu, na África do Sul, participou no fórum. Zwelithini é um dos líderes tradicionais mais influentes da maior economia africana. Insistiu na necessidade de combater a pobreza:

“Há muita pobreza em África, algo que me magoa muito. Ver tanta gente que tem de emigrar para outros países é muito complicado. Há muitas pessoas obrigadas a abandonar o lugar a que pertencem.”

O papel das mulheres na transformação do continente não foi esquecido. Para isso, diz Grace Njapau, antiga ministra da Administração Interna da Zâmbia, é preciso que haja mais mulheres em postos de liderança:

“Os homens tentam pôr de lado as mulheres, mas nós recusamos esse papel. As mulheres devem unir-se, já que sabemos exatamente o que queremos. E temos, acima de tudo, de assumir que as mulheres podem mudar o mundo e que podem também mudar África.”

Mas o continente africano não pode mudar sem a unidade dos 49 Estados. Foi exatamente o que defendeu Soulymane Fall, conselheiro do presidente do Senegal:

“O desenvolvimento é, ante de mais, uma questão de mentalidade. Se os africanos se convencerem de que o nosso continente, com todas as riquezas que tem, pode ser líder no mundo. E é com essa convicção e com essa consciência que poderemos vencer, com unidade.”

No encontro, foi atribuido o Prémio da Fundação a Michel Martelly. Presidente do Haiti entre 2011 e 2016, Martelly deseja que o país das antilhas integre a União Africana:

“O Haiti é África. Somos África e temos África no sangue. Somos África na pele, na cultura, somos a diáspora africana e somos filhos de África. Pertencemos aqui. Pesno que decemos ser integrados e que deveriamos pertencer à União Africana.”

Foi também atribuído o reconhecimento de jovens Líderes do Futuro a 40 dos participantes. Entre eles, Mansavi Atrey, presidente do grupo 18SG.

“Recebemos este reconhecimento do Fórum, que é importante para as gerações vindouras. E é uma honra recebê-lo, porque venho aqui para fazer a diferença, a Crans Montana, e gostaria de ver mais gente do meu país a receber este reconhecimento.”

A primeira parte do Fórum terminou no sábado. A segunda parte do encontro teve lugar a bordo do Rhapsody, o conhecido cruzeiro italiano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O Fórum Energético de Baku centra-se no crescimento económico e na transição para as energias limpas

Apela a uma resposta global unificada à remoção de minas na conferência de Azerbaijão

Presidente do Azerbaijão apela que países petrolíferos paguem para resolver problemas climáticos