EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Que país tem o melhor sistema de pensões do mundo e o que é que a IA tem a ver com isso?

Um voluntário e membro da associação "Un Vélo Pour Tous" transporta uma senhora idosa numa bicicleta de carga, a 5 de maio de 2019, no centro de Copenhaga.
Um voluntário e membro da associação "Un Vélo Pour Tous" transporta uma senhora idosa numa bicicleta de carga, a 5 de maio de 2019, no centro de Copenhaga. Direitos de autor Thibault SAVARY / AFP
Direitos de autor Thibault SAVARY / AFP
De  Doloresz Katanich com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Um novo estudo, que classifica 47 sistemas de pensões em todo o mundo, lançou luz sobre o impacto crescente da IA nos sistemas de pensões.

PUBLICIDADE

De acordo com o relatório global sobre pensões do Mercer CFA Institute, os Países Baixos estão no topo da lista quando se trata de comparar os sistemas de pensões em todo o mundo .

A classificação analisou mais de 50 indicadores e comparou 47 sistemas de rendimentos na reforma, abrangendo 64% da população mundial.

Os factores mais relevantes foram o nível de benefícios de pensões do sector privado e público disponíveis, a sustentabilidade do sistema para durar décadas no futuro e a qualidade da sua governação.

A Islândia ficou em segundo lugar, tendo sido destituída do primeiro lugar do ano passado, e a Dinamarca ficou em terceiro lugar no índice de 2023.

A maioria dos países europeus incluídos no relatório obteve uma boa classificação. De acordo com o relatório, apenas são necessárias algumas melhorias na Finlândia, Noruega, Suécia, Reino Unido, Suíça, Irlanda, Bélgica, Portugal e Alemanha.

Por outro lado, a França, a Espanha, a Itália, a Polónia, a Áustria e a Croácia, bem como os Estados Unidos, apresentam riscos e/ou deficiências importantes que devem ser corrigidos, segundo o relatório.

A Índia, as Filipinas e a Argentina ocupam os últimos lugares da classificação. Juntamente com a Turquia e a Tailândia, partilham a pior classificação, o nível D, o que indica que, sem melhorias, a eficácia e a sustentabilidade do sistema de pensões nestes países estão em dúvida.

Riscos do sistema

O relatório reconhece que "os sistemas de rendimentos da reforma em todo o mundo estão sob pressão como nunca antes", devido à inflação persistente, à subida das taxas de juro e à incerteza geopolítica, que afectam inevitavelmente os rendimentos dos investimentos.

"A idade média das populações em todo o mundo continua a aumentar em muitos mercados, sobretudo nos mercados mais maduros", afirmou Margaret Franklin, presidente e directora executiva do CFA Institute.

"A inflação e o aumento das taxas de juro criaram uma nova dinâmica de mercado que coloca desafios significativos aos planos de pensões. Também vemos uma fracturação contínua no que diz respeito à globalização", acrescentou. "Estes são apenas alguns dos desafios cada vez mais complexos que os fundos de pensões enfrentam e que afectam os reformados de forma significativa."

O relatório cita o último Pensions Outlook de 2022 da OCDE, que recomenda que os decisores políticos de todo o mundo levem a cabo as reformas necessárias, apesar da atual incerteza financeira e económica, para evitar colocar em risco o bem-estar dos actuais e futuros pensionistas.

O relatório recomenda igualmente o reforço das pensões garantidas por activos (por oposição à repartição), o que poderá contribuir para a diversificação das fontes de financiamento da reforma, tornando os sistemas de pensões mais resilientes.

O impacto da inteligência artificial nos regimes de pensões

Segundo o relatório, a inteligência artificial deverá melhorar o desempenho dos regimes de pensões, reduzindo os custos e assinalando os riscos futuros.

Outras utilizações da IA poderão incluir a criação de carteiras personalizadas e a identificação de anomalias no mercado, embora seja improvável que a IA consiga prever com exatidão os movimentos do mercado, pelo que a incerteza se manterá, refere o relatório.

"A expansão em curso da IA nas operações e decisões dos gestores de investimentos poderá conduzir a processos de tomada de decisão mais eficientes e mais bem informados, o que poderá potencialmente conduzir a retornos de investimento reais mais elevados para os membros dos planos de pensões", afirmou David Knox, sócio sénior da Mercer.

O relatório anual também apontou os riscos de os modelos de IA gerarem informações falsas quando utilizados num novo contexto e de ataques cibernéticos aos dados dos membros dos planos de pensões.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sucesso não é só propaganda: Plano de pensões de Bruxelas não está a funcionar

Manifestação convocada pela CGTP junta jovens e pensionistas nas ruas

Pensionistas espanhóis protestam por reformas "dignas"