EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Europeus reformistas "aliviados" com avanços para coligação alemã

Europeus reformistas "aliviados" com avanços para coligação alemã
Direitos de autor 
De  Isabel Silva
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O analista político Mario Telo, da Universidade Livre de Bruxelas, defende o reforço do chamado eixo franco-alemão e vê como positiva a decisão do Partido Social-Democrata alemão de manter as negociações para formar parte do governo de Angela Merkel.

PUBLICIDADE

O primeiro-ministro português saudou, segunda-feira, a abertura de conversações para uma nova coligação de centro, na Alemanha, aprovada pelo partido de centro-esquerda, no domingo.

Num artigo de opinião no jornal New Westfälische, António Costa disse que tal governo pode criar "novas oportunidades para o progresso e a mudança na Europa".

Esta ideia é partilhada por Mario Telo, da Universidade Livre de Bruxelas, que defende o reforço do chamado eixo franco-alemão.

"Foi dada a luz verde para um reavivamento da União Europeia, de acordo com os planos da França e de todos aqueles que fazem parte do núcleo duro europeu, defendendo uma Europa a várias velocidades", referiu o investigador em Ciência Política.

"É muito importante porque Martin Schulz é muito mais próximo de Emmanuel Macron do que Angela Merkel e isso facilitará um bom entendimento com Macron e a França", acrescentou.

Mas o analista tem um conselho para Martin Schulz, já que apenas 56% dos congressistas do Partido Social-Democrata alemão aprovaram a decisão, este domingo, temendo perdas futuras nas urnas.

"Martin Schulz deverá aprender a lição e evitar aquilo que aconteceu com o anterior governo de coligação, no qual Angela Merkel se apropriou muito mais dos benefícios da aliança do que o SPD. Esse passado explica que uma parte da base do partido se oponha à renovação da grande coligação", explica Telo.

Quem está satisfeita é, naturalmente, Angela Markel, já que o país terá de ir novamente a eleições, caso a atual negociação não chegue a bom porto, como aconteceu na tentativa de se aliar aos liberais e aos verdes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Schulz: "Uma coligação pela Alemanha e pela Europa"

SPD aprova negociações para "grande" coligação com Merkel

Europa: acordo provisório para extração de lítio na Sérvia