EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

UE-China debatem futuro das relações comerciais

Ted S. Warren
Ted S. Warren Direitos de autor The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Bruxelas pretende limitar compra de empresas europeias por investidores estrangeiros.

PUBLICIDADE

Não faltam questões urgentes a debater na cimeira entre a China e a União Europeia que se realiza por videoconferência esta segunda-feira. Com o espetro da pandemia longe de se dissipar e a turbulência em Hong Kong bem presente, está em cima da mesa o futuro das relações comerciais entre as duas potências.

Daniel Gros, diretor do Centro de Estudos de Política Europeia (CEPS), dá-nos uma visão pragmática sobre o desequilíbrio de forças, considerando "que não há grande coisa a fazer. A China tornou-se demasiado grande, cresce de dia para dia. Já não é possível tentar mudar o seu comportamento. Pode dizer-se que as violações dos direitos humanos acarretam menos abertura europeia em termos comerciais e em relação ao investimento chinês. Mas, para a China, são questões secundárias. A Europa pode manifestar o seu descontentamento, mas não mudar o rumo das coisas."

E, mesmo assim, a Comissão Europeia acabou de apresentar um pacote de ferramentas para proteger o tecido empresarial europeu. Surgem, nomeadamente, mecanismos concorrenciais para controlar a compra de companhias europeias por parte doutras estrangeiras, sobretudo chinesas, que recebam apoios estatais.

A preservação do mercado único esbarra num obstáculo flagrante: os Estados-membros também estão em concorrência entre si.

Weinian Hu, investigadora no mesmo Centro de Estudos de Política Europeia (CEPS), entende que a "União Europeia não tem poder de coerção. O que pode conseguir em conjunto em termos políticos é uma questão. Mas por outro, as decisões relativamente à política externa são tomadas ao nível de cada Estado-membro".

O mote foi dado pela vice-presidente e comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager, que afirmou que "há um fosso atualmente e a situação tem de mudar".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cimeira UE-China marcada por tensões

UE reforça medidas contra ambições comerciais da China

Ativista italiana candidata às eleições europeias passa para prisão domiciliária na Hungria