EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Bruxelas lança consulta pública sobre como pagar inovação na Internet

Comissário europeu para o Mercado Interno, Thierry Breton
Comissário europeu para o Mercado Interno, Thierry Breton Direitos de autor Bogdan Hoyaux/ EC - Audiovisual Service
Direitos de autor Bogdan Hoyaux/ EC - Audiovisual Service
De  Aida Sanchez AlonsoIsabel Marques da Silva
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Há muito que as empresas de telecomunicações argumentam que o setor dos conteúdos digitais deveria contribuir para a evolução dos sistemas que dão acesso à Internet.

PUBLICIDADE

Quem vai pagar o desenvolvimento das infraestruturas de conectividade tais como a rede de 5G para os telemóveis? Até agora têm sido as grandes multinacionais de telecomunicações, tais como a Telefónica, Vodafone ou Orange.

Mas a Comissão Europeia quer debater se outro tipo de empresas do setor da informação digital deveriam ser chamadas a comparticipar, tais como a Netlfix, a Amazon ou a Google.

Esta é uma das propostas na consulta pública sobre o futuro do setor, explicou o executivo europeu, esta quinta-feira, em Bruxelas.

"Esta reflexão - quero dizer desde já - não deve ser feita "contra" ninguém em particular, mas a favor dos cidadãos, para lhes levar conectividade e inovação, para lhes dar as infra-estruturas certas e para que as empresas tenham acesso à melhor conectividade", disse Thierry Breton, comissário europeu para o Mercado Interno, em conferência de imprensa.

Batalha entre dois setores empresariais

Há muito que as empresas de telecomunicações argumentam que o setor dos conteúdos digitais deveria contribuir para a evolução dos sistemas que dão acesso à Internet.

"Pensamos que isto já não é sustentável. A conta de Internet e a conta de telefone não podem ser as únicas formas de financiarmos a rede 5G e a fibra ótica. Há outro grupo de empresas que ganha muito dinheiro na Internet, com dados pessoais e com publicidade. E por isso é natural, na nossa opinião, que também contribuam", disse Alessandro Gropelli, diretor-geral adjunto da Associação Europeia de Operadores de Redes de Telecomunicações, em declarações à euronews.

Já a Associação da Indústria de Computadores e Comunicações está contra a forma como a Comissão Europeia anunciou que iria fazer a consulta pública.

A associação reúne empresas de tecnologia digital de informação e está contra oas chamadas taxas de rede que iriam agravar a fatura a apresentarem aos seus consumidores.

A Comissão Europeia adotou, também, uma proposta de Regulamento Infraestruturas Gigabit, para promover uma maior largura de banda e velocidades mais rápidas no acesso à internet a preço acessível.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Primeiro sindicato na Europa para influenciadores da Internet ganha força em Itália

Estratégia europeia para uma Internet melhor para as crianças gera controvérsia

Internet deixa de ser luxo em Portugal