EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Biobancos de tumores ajudam investigação do cancro

Em parceria com The European Commission
Biobancos de tumores ajudam investigação do cancro
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O cancro do cólon está a aumentar na Europa, mas, através do estudo de tumores guardados em biobancos, os investigadores procuram um tratamento individualizado para os pacientes.

O cancro do cólon está a aumentar em toda a Europa. O que torna esta doença tão difícil de diagnosticar e tratar? Como podem os biobancos com dezenas de milhares de amostras de carcinoma ajudar médicos e investigadores a tratar os pacientes?

Para saber conversámos com Herbert Stoeger, chefe do departamento clínico de oncologia da Universidade de Medicina de Graz, e Karine Sargsyan, diretora administrativa do biobanco na Universidade de Medicina de Graz.

Herbert Stoeger: “Há 20 anos, tratávamos apenas o cancro do cólon como um único item. Hoje em dia, sentimos que o cancro do cólon não é um tipo de cancro, mas talvez centenas deles. Aprendemos a tratar individualmente os pacientes com cancro e aprendemos que temos alvos na célula cancerosa que podemos usar no tratamento do cancro. Precisamos de muita informação, e quanto mais pudermos identificar os alvos, melhor podemos identificar os tumores e os pacientes portadores para que possamos otimizar a nossa terapia ”.

Karine Sargsyan: “O cancro do cólon, em concreto, é muito diverso. Tem diferentes estágios, diferentes graus, diferentes estados do receptor, diferentes tipos de resposta a diferentes tratamentos oncológicos. Portanto, com todos estes tipos diferentes, toda diversidade da investigação, podemos encontrar o tratamento exato, particular e muito personalizado para cada paciente. ”

Partilhe esta notícia