This content is not available in your region

O impacto da guerra na Ucrânia na Economia Europeia

De  Naomi Lloyd  & Mathieu Rocher e Frank Weinert
euronews_icons_loading
O impacto da guerra na Ucrânia na Economia Europeia
Direitos de autor  euronews

À medida que os preços dos alimentos e da energia sobem - o que se segue para a economia da Europa? Fomos até à Alemanha onde as empresas transformadoras dependem de peças metálicas da Ucrânia - e falamos com um economista sobre o impacto da guerra.

O custo económico da guerra da Rússia na Ucrânia está a atingir duramente a Europa. A economia tinha estado num caminho de forte recuperação e crescimento, ao sair da pandemia. Mas agora a UE reduziu a previsão de crescimento de 4% para 2,7% e aumentou a sua previsão de inflação.

  •  Curso intensivo sobre a amplitude do impacto da guerra

A economia da UE está a sentir o impacto da guerra da Rússia na Ucrânia.

Tem havido um novo aumento dos preços da energia, levando a inflação a atingir níveis recorde.

A Ucrânia e a Rússia produzem quase um terço do trigo e da cevada do mundo e são grandes exportadores de metais.

As ruturas destas cadeias de abastecimento, assim como o aumento dos custos de muitas matérias-primas, fizeram subir o custo dos alimentos e de outros bens e serviços básicos.

Isto coloca uma tensão nos negócios e menos dinheiro nos nossos bolsos.

A UE reduziu a sua previsão de crescimento económico de 4 para 2,7% para este ano e de 2,8 para 2,3 para o próximo ano.

A inflação - prevista a 3,9% há apenas alguns meses - deverá agora atingir uma média de 6,8%.

A guerra está a prejudicar mais algumas economias da UE do que outras. A previsão de crescimento da Alemanha é uma das mais baixas da Europa, com 1,6%. Guillaume Desjardins dirige-se para a Baviera, onde as empresas de manufatura têm sofrido um golpe.

A Alemanha e o seu Mittelstan - o ecossistema industrial enraizado a nível local - está também altamente integrada com os países vizinhos, incluindo a Ucrânia.

O comprimento médio dos cabos do seu carro é de cinco quilómetros é. E se for europeu, cerca de 7% desses cabos vêm da Ucrânia.

Em 2021, a União Europeia importou 760 milhões de euros de cabos ucranianos, na sua maioria destinados à indústria automóvel, mas também ao setor aeroespacial.

E mesmo que esta fábrica não tenha origem diretamente na Ucrânia, quando a Rússia invadiu o seu vizinho em fevereiro passado, todo um ecossistema foi virado ao contrário.

Os nossos fornecedores, têm dificuldades em obter certas coisas. Vemos os preços da logística a aumentar devido à escassez de contentores, esperemos que seja um problema temporário. Vemos os preços da energia a aumentar também, obviamente. Esperemos que também seja um efeito temporário.
JÖRN SPURMANN
CO-FOUNDADOR, RFA

Se pretendem lançar o seu primeiro foguetão para o espaço em 2023, como previsto, Jörn Spurmann e a sua equipa terão de ser criativos.

Estão agora a adaptar peças e componentes produzidos para outras indústrias, para serem utilizados nos seus foguetes, uma vez que estes são mais fáceis de obter.

Há fornecedores que estão a regressar com preços mais elevados ou prazos de entrega mais longos. Claro. E depois precisamos de encontrar alternativas. São sempre alternativas. Não temos fontes únicas, mas isto requer mais tempo e mais esforço da nossa parte na gestão da cadeia de abastecimento.
JÖRN SPURMANN
CO-FOUNDADOR, RFA

Este tipo de perturbação não só está a afetar o setor aeronáutico, como também está a minar uma recuperação económica há muito esperada após dois anos de pandemia.

Especialmente porque, após anos de inflação mais do que moderada, o aumento do custo de vida está a voltar à cena europeia.

As previsões económicas da Comissão Europeia preveem uma inflação de 6,5% na Alemanha este ano, a mais elevada desde a reunificação em 1990.

As famílias estão a perder poder de compra. Por isso, terão de fazer reduções. Para as empresas, é uma relativa perda de competitividade, especialmente para as empresas que estão localizadas na Alemanha. Temos de suportar o fardo destes preços mais elevados da energia e eles podem repercuti-la até certo ponto, mas não a totalidade.
JOACHIM SCHALLMAYER
RESPONSÁVEL DOS MERCADOS DE CAPITAIS E ESTRATÉGIA, DEKABANK

Com a estagnação do crescimento e o aumento dos preços, a Comissão Europeia espera que a implementação do Plano de Recuperação ajude a conter a situação. Resta uma incerteza: como é que a situação na Ucrânia se irá desenrolar nas próximas semanas?

A economista Maria Demertzis é a vice-diretora da Bruegel de uma think tank, uma escola de pensamento, com sede em Bruxelas, especializada em economia.

Naomi Lloyd, Euronews: Bem-vinda a Real Economy.

Maria Demertzis, vice-diretora, Bruegel: Obrigada.

**Naomi Lloyd, Euronews:**Será que a guerra na Ucrânia mudou fundamentalmente as perspetivas económicas para a Europa, ou será que já existiam questões económicas mais exageradas?

Maria Demertzis, vice-diretora, Bruegel: Penso que provavelmente este último. Tem exagerado certamente quando se trata de inflação. A razão pela qual estamos a assistir a toda esta inflação é a energia e a energia vinda da Rússia. Tem afetado a Europa muito mais do que tem afetado os EUA, porque dependemos da Rússia muito mais do que outros. Depende, evidentemente, do resultado da guerra e da rapidez com que vamos encontrar alternativas na Europa. Obviamente que não o podemos fazer de um dia para o outro. Quanto às perspectivas de crescimento, penso que estamos a sair de uma pandemia - ouso dizer que ainda estamos na pandemia - , mas pelo menos a economia está a sair da pandemia. Tivemos enormes aumentos no crescimento em resultado disso. Isso foi agora um pouco apagado, mas não vemos aí uma mudança fundamental.

**Naomi Lloyd, Euronews:**As pessoas estão a ver as contas de energia a subir. O custo de vida, o custo dos alimentos está a subir. Deveríamos estar preparados para mais disto?

Maria Demertzis, vice-diretora, Bruegel: Penso que sim. Penso que certamente vamos ter mais um ano disto... em termos da inflação ser anormal. Vimos aqui na Bélgica, onde vivo, um aumento da farinha, para o dobro do preço, o que, naturalmente, tem implicações no preço do pão, o que é bastante importante. Vamos sentir nos nossos bolsos quando abastecermos os nossos automóveis, quando comprarmos a nossa comida semanal. E atrevo-me a dizer que as coisas provavelmente precisam de ficar um pouco piores antes de melhorarem. Portanto, nesse aspeto, penso que precisamos realmente de nos preparar para um pouco mais desta situação.

06:34

Naomi Lloyd, Euronews: E será esta inflação mais alta uma preocupação genuína, ou será apenas que estamos nervosos depois de um período tão longo de baixa inflação?

Maria Demertzis, vice-diretora, Bruegel: Bem, penso que depende daquilo a que se compara. Se o compararmos com os últimos dez anos - , habituámo-nos a taxas de inflação muito baixas. Mas não é um problema se compararmos com os anos 70, quando falamos de estagflação real (o fenómeno da estagnação combinado com inflação) e de taxas de inflação de 15% e de crescimento negativo. Agora não temos esses números. Não espero ver esses números mesmo na pior das hipóteses. Mas, claro, devemos ficar aquém das previsões deste tipo de coisas. Muito difícil de prever.

Naomi Lloyd, Euronews: Será que precisamos de ver as taxas de juro a subir?

**Maria Demertzis, vice-diretora, Bruegel:**Penso que vai ser muito difícil para o BCE não aumentar as taxas de juro ou mesmo para outros bancos centrais que têm de gerir as suas taxas de juro, quando estamos a assistir a uma inflação desta magnitude.

Naomi Lloyd, Euronews: Até que ponto está preocupado com a economia da Europa neste momento?

**Maria Demertzis, vice-diretora, Bruegel:**Penso que a economia europeia tem resistido bastante bem à crise pandémica. Agora, é claro, a nova crise é de natureza muito diferente, e é uma crise que afetará também a forma como podemos cooperar a nível global, o que, naturalmente, terá repercussões económicas. Penso que a economia europeia está em boa posição para desgastar esta situação. Agora, se a vamos gerir depende, naturalmente, também da forma como a própria guerra se desenvolve.

Editor de vídeo • Jean-Christophe Marcaud