This content is not available in your region

Como integrar os pacientes na melhoria do diagnóstico e dos tratamentos?

De  Claudio Rosmino  & euronews
Como integrar os pacientes na melhoria do diagnóstico e dos tratamentos?
Direitos de autor  euronews   -  

Na Dinamarca, os pacientes podem preencher um questionário online para fornecer informações ao médico, antes da consulta. 

O dispositivo visa melhorar a comunicação entre os doentes e os profissionais de saúde. Graças a um questionário específico, os pacientes dinamarqueses podem fornecer ao médico informações sobre o seu estado de saúde, o que lhe dá um papel ativo no acompanhamento da doença. 

"É muito útil, porque, muitas vezes, quando vejo o meu médico, esqueço-me de lhe dizer algo. Mas neste caso, é preciso preencher um questionário antes da consulta. Deste modo, temos tempo para pensar em tudo, e o médico poderá dar resposta às muitas perguntas que habitualmente, surgem, uma de cada vez", disse à euronews Hanne Dalgaard Christensen, paciente dinamarquesa.

As vantagens dos Resultados relatados pelo paciente

O questionário intitulado Patient reported outcomes (Resultados relatados pelo paciente), o questionário inclui questões sobre os sintomas, a qualidade de vida e as atividades diárias dos pacientes. 

Poupar tempo, envolver o paciente e melhorar a terapia e os conhecimentos sobre a doença são algumas das vantagens do questionário preenchido online.

O contributo da perceção do doente para a melhoria dos cuidados de saúde

No Hospital Universitário de Aarhus, na Dinamarca, o questionário é utilizado principalmente no acompanhamento de doenças crónicas, que implicam consulta regulares. 

A perceção do paciente sobre a doença contribui para melhorar a qualidade dos cuidados de saúde. O médico dispõe de mais informações para definir o tratamento.

"Os resultados comunicados pelos pacientes são uma excelente forma de obter uma visão dos sintomas de um paciente antes de poder vê-lo na na clínica. Quando vemos o paciente, já temos muitas respostas e depois sabemos quais são os pontos em que nos devemos concentrar, se existem sintomas relacionados com essa doença intestinal crónica e se precisamos de alterar o tratamento médico", explicou Mette Julsgaard, gastroenterologista, do Hospital Universitário de Aarhus.

O espaço europeu de dados de saúde

Com base na Inteligência Artificial, os dados são submetidos a uma primeira análise para facilitar o processo.

"Os questionários são processados, com um algoritmo, para ver se o paciente está bem e se é preciso ou não falar com ele ou vê-lo. Nalguns casos, o resultado é amarelo, é necessário telefonar ao paciente. Noutros é vermelho, o que significa que é necessário ver o doente", detalhou Lisbeth Kallestrup, diretora do departamento de Qualidade e Envolvimento dos Pacientes, do Hospital Universitário de Aarhus.

"Desta forma, temos a informação necessária para poder dedicar o nosso tempo aos pacientes que estão doentes e não aos pacientes que, nesse preciso momento, estão numa situação de bem-estar”, acrescentou a responsável.

No futuro, a implementação do Espaço Europeu de Dados de Saúde deverá favorecer uma nova abordagem da medicina, em toda a União Europeia. Uma iniciativa que tem como base a recolha e partilha de dados de saúde.