Programa específico ao canal Euronews, que lhe fornece todos os elementos para tirar as suas próprias conclusões.

euronews_icons_loading
Destruição nas Bermudas após a passagem do furacão Fiona

Fiona passou pelas Bermudas sem provocar vítimas

As Bermudas avaliaram na sexta-feira de manhã os estragos provocados pelo furacão Fiona, que passou  pela ilha durante a noite, causando inundações e deixando a maior parte da população sem energia.

Esperava-se o furacão atingisse a província da Nova Escócia à noite, com o Centro Nacional de Furacões dos EUA a dizer que o Fiona se tinha de novo reforçado para uma tempestade de categoria 4 ao avançar em direção ao Canadá.

Os serviços de emergência nas Bermudas apelaram aos residentes a permanecerem no interior, enquanto ventos fortes fustigavam o território britânico, com rajadas de mais de 160 quilómetros por hora.

Não foram relatados acidentes mortais ou danos importantes. 

A ilha, de cerca de 64.000 pessoas, está habituada aos furacões - mas também é minúscula, apenas 54 quilómetros quadrados, e um dos lugares mais remotos do mundo, a 640 quilómetros do seu vizinho mais próximo, os Estados Unidos.

Devido ao isolamento da ilha, os preparativos são levados a sério. Muitos barcos foram retirados da água no início da semana, escolas públicas foram fechadas, autocarros e ferries pararam e um abrigo de emergência foi aberto.

Para além de se abastecerem de velas e comida, alguns residentes retiraram baldes de água e encheram as banheiras dos tanques ao lado das suas casas, antes das esperadas falhas de energia.

Não existe uma fonte de água doce na ilha, pelo que todos os edifícios têm telhados brancos, lavados com cal que são utilizados para captar a água da chuva em tanques que são depois bombeados para as casas.

As Bermudas, cuja economia é alimentada pelas finanças e turismo internacionais, são ricas em comparação com a maioria dos países das Caraíbas, e as estruturas devem ser construídas segundo códigos de planeamento rigorosos para resistir a tempestades.