EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Devemos temer uma nova vaga de Covid-19 no outono/inverno?

(arquivo)
(arquivo) Direitos de autor ANGELA WEISS/AFP or licensors
Direitos de autor ANGELA WEISS/AFP or licensors
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Peritos são unânimes: é importante manter vacinação contra a Covid-19

PUBLICIDADE

O número de casos de Covid-19 aumentou significativamente em vários países europeus durante o verão. 

Entre as razões avançadas está uma redução da imunidade conquistada com as vacinas ou o aparecimento de novas variantes, mas a questão agora é se devemos temer uma nova vaga de proporções significativas no próximo inverno.

Hans Henri P. Kluge, diretor regional da OMS para a Europa:"A Covid-19 continua a existir. Não devemos entrar em pânico, mas devemos garantir a vacinação. O continente está preparado. Claro, a grande ressalva é se - esperemos que não - haverá uma mutação, que será um pouco mais perigosa e se espalhará rapidamente. Na melhor das hipóteses, é um pouco como um cenário de gripe. A atenção deve centrar-se nas pessoas vulneráveis, porque deixámos demasiadas pessoas para trás, especialmente nas instalações de cuidados prolongados."

Os peritos são unânimes: a melhor arma contra o vírus continua a ser a vacina.

Quique Bassat, investigador do Instituto de Saúde Global de Barcelona:"Não penso que a Europa esteja em perigo. Só as pessoas, os países com uma fraca cobertura de vacinação continuarão em perigo de registar aumentos na doença, uma doença clínica significativa e hospitalizações. É verdade que está a ser desenvolvida uma nova geração de vacinas, que esperamos receber até ao final deste mês. Mas as pessoas devem ter a certeza de que as vacinas que receberam já as estão a proteger muito bem contra doenças graves."

A União Europeia também está a promover avanços no combate ao vírus. 

A Comissão Europeia deu, no passado dia 1 de setembro, a "luz verde" a uma vacina concebida para combater uma subvariante do Ómicron.

Stella Kyriakides, comissária europeia para a Saúde e Segurança Alimentar:"A coordenação e o trabalho conjunto são a base de uma União de Saúde Europeia forte. E, desde o início da pandemia, temos trabalhado com os Estados-Membros, fornecendo orientações através do CEPCD(Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças ) sobre a forma como devem monitorizar a Covid-19, sobre a necessidade de sequenciação, sobre a necessidade de vigilância."

A comissária europeia para a Saúde e Segurança Alimentar deixa também um apelo direto aos cidadãos europeus:

"Uma União de Saúde Europeia forte significa que todos nós trabalhamos em conjunto para fazer face a uma situação de saúde pública. Por isso, sigam os conselhos que vos foram dados pelos vossos médicos quanto à necessidade de serem vacinados ou não. Se se sentir doente, fique em casa. Pode não ser Covid. Pode ser gripe. Mas temos de nos proteger mutuamente na difícil época de outono e inverno que pode estar para vir."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Covid longa afeta milhares de pessoas em Inglaterra

Quase um quarto da população da UE é fumadora, de acordo com uma nova investigação

Quase metade das mortes por cancro e 40% dos casos são causados por fatores evitáveis, segundo um novo estudo