EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Vacinas contra COVID-19 salvaram pelo menos 1,4 milhões de vidas na Europa, segundo a OMS

Uma mulher é transportada numa maca para o centro de vacinação contra a COVID-19 do Grupo Hospitalar da Ilha de França Sul, em Melun, nos arredores de Paris, em fevereiro de 2021.
Uma mulher é transportada numa maca para o centro de vacinação contra a COVID-19 do Grupo Hospitalar da Ilha de França Sul, em Melun, nos arredores de Paris, em fevereiro de 2021. Direitos de autor Thomas Samson / Pool via AP
Direitos de autor Thomas Samson / Pool via AP
De  Lauren Chadwick
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Sem vacinas contra a COVID-19, o número cumulativo de mortes na Europa teria sido de cerca de 4 milhões, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

PUBLICIDADE

Pelo menos 1,4 milhões de vidas foram salvas na Europa devido a vacinas seguras e eficazes contra a COVID-19, afirmou esta terça-feira o gabinete regional europeu da Organização Mundial de Saúde (OMS).

De acordo com um novo estudo da OMS publicado num servidor de pré-impressão que analisa a influência das vacinas contra a COVID-19 em 34 países - todos exceto um - da Europa.

As vacinas contra a COVID-19 reduziram o número de mortes em 57% entre dezembro de 2020, quando as vacinas começaram a ser distribuídas, e março de 2023, segundo o estudo.

O número acumulado de mortes na região europeia, que atualmente se situa em 2,5 milhões de vidas, poderia ter atingido quase 4 milhões de pessoas sem vacinas, disse a OMS.

"Pensem nisto hoje e nos 1,4 milhões de pessoas na nossa região, a maioria delas idosas, que estão por perto para desfrutar da vida com os seus entes queridos porque tomaram a decisão vital de serem vacinadas contra a COVID-19", disse o Dr. Hans Kluge, diretor regional europeu da OMS.

"Este é o poder das vacinas. As provas são irrefutáveis", acrescentou.

Kluge recomendou mais uma vez que as pessoas em risco de contrair COVID-19 grave, como as mais velhas ou imunocomprometidas, recebam uma vacinação de reforço seis a 12 meses após a dose mais recente.

O estudo estimou, em particular, que 96% das pessoas cujas vidas foram salvas devido à vacinação tinham mais de 60 anos de idade.

As estimativas sobre o número de vidas salvas pelas vacinas foram efectuadas através de cálculos retrospectivos com base no número de mortes notificadas, nas estimativas sobre a eficácia das vacinas e no que teria acontecido se as pessoas em determinados grupos etários não tivessem sido vacinadas.

Ativistas manifestam-se pela libertação de patentes de vacinas em frente à sede da BioNTech, em Mainz, na Alemanha, a 13 de dezembro de 2021.
Ativistas manifestam-se pela libertação de patentes de vacinas em frente à sede da BioNTech, em Mainz, na Alemanha, a 13 de dezembro de 2021.Boris Roessler/dpa via AP

Verificaram-se discrepâncias entre os países: os países com maior adesão à vacinação reduziram as mortes numa percentagem mais elevada do que os países com menor adesão à vacinação.

Os países que reduziram as mortes em maior percentagem foram Israel, Malta, Islândia, Dinamarca, Finlândia e Reino Unido, enquanto os que reduziram as mortes em menor percentagem foram a Roménia e a Ucrânia.

"Os países que vacinaram mais cedo e que vacinaram a níveis elevados tiveram provavelmente muito mais mortes evitadas do que os países que vacinaram um pouco mais tarde", afirmou o Dr. Marc-Alain Widdowson, responsável da OMS Europa pela gestão dos riscos infecciosos.

Gripe quadruplica

A OMS advertiu, entretanto, que a Europa enfrenta níveis elevados de infecções por gripe.

Nas últimas duas semanas, registou-se um aumento de 58% nas hospitalizações notificadas e de 21% nos internamentos em UCI, em comparação com as duas semanas anteriores, segundo Kluge, tendo as infecções por gripe quadruplicado entre novembro e dezembro.

Em resposta a uma pergunta do Euronews Next sobre o aumento dos níveis de gripe, Widdowson disse que, com todos os vírus, devemos esperar o inesperado.

PUBLICIDADE

Mas acrescentou que, após a pandemia de COVID-19, muitas pessoas "não foram expostas à gripe", o que pode estar a contribuir para o aumento dos casos, uma vez que algumas pessoas podem ainda ser susceptíveis.

A OMS Europa também alertou para o facto de a situação da COVID-19, com os casos atualmente a diminuir, poder mudar na região, uma vez que uma nova variante denominada JN.1 está a aumentar a sua prevalência entre os casos.

Saúde está a "sair da agenda política"

Kluge alertou para o facto de "a saúde estar a sair da agenda política e de não estarmos a conseguir resolver a bomba-relógio que os nossos profissionais de saúde e de prestação de cuidados enfrentam".

Cerca de 13 países da região, por exemplo, não comunicaram os seus dados de vigilância das doenças respiratórias, apesar de se tratar da "primeira linha de defesa" para monitorizar os agentes patogénicos.

PUBLICIDADE

A Dra. Natacha Azzopardi-Muscat, da OMS Europa, responsável pelas políticas de saúde dos países, também alertou para o facto de que não se trata de aumentar o número de camas hospitalares, mas sim de resolver o principal "estrangulamento" da escassez de pessoal de saúde.

"Em muitos países, a nossa força de trabalho no setor da saúde está a envelhecer e precisa de ser reabastecida. Dito isto, infelizmente, alguns sistemas de saúde estão a lutar para manter a atual força de trabalho no setor da saúde devido às pressões a que estão sujeitos", afirmou, acrescentando que a remuneração, a demografia e as condições de trabalho também podem ter influência.

Vários países europeus, incluindo a Alemanha, a França, Portugal e o Reino Unido, viram os trabalhadores do setor da saúde entrar em greve devido a preocupações com a remuneração e a escassez de trabalhadores.

Em resposta ao Euronews Next, Kluge alertou para o facto de a saúde, que esteve no topo de muitas agendas políticas durante a pandemia da COVID-19, ter sido substituída por outras questões prementes, como a inflação, a energia e a guerra.

PUBLICIDADE

Mas embora "a saúde possa não ser tudo, sem saúde não há nada", avisou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Agência de saúde da UE alerta para o aumento das doenças evitáveis por vacinação

Alemão vacinou-se 217 vezes contra a covid-19

Covid longa afeta milhares de pessoas em Inglaterra