Última hora

Última hora

Aprendiz de maestro

Em leitura:

Aprendiz de maestro

Aprendiz de maestro
Tamanho do texto Aa Aa

Acompanhado pela “Orquestra Filarmónica”, Daniel Barenboim tocou recentemente os concertos para piano de Franz Liszt, no La Scala de Milão. 2011 marca o bicentenário do nascimento do compositor e pianista húngaro.

“Música” esteve presente nos ensaios e no concerto, sob a batuta de um jovem e talentoso maestro: Omer Meir Wellber.

A admiração pelo trabalho do maestro Barenboim data da infância: “Recordo-me dos tempos em que era ainda criança, quando planeávamos as nossas viagens de família para a Europa em função dos concertos Barenboim: “Vamos para Paris porque Barenboim está lá! Vamos para Munique”, conta Omer Wellber.

O jovem aprendiz de maestro acrescenta: “Tornar-me assistente de Barenboim e, mais do que isso, ter a oportunidade de estar perto de alguém como ele, é algo que muda completamente uma vida. Não estou só a falar de música, mas também de política e de muitas outras coisas. Ter um maestro faz uma grande diferença. Ele é muito generoso. Por isso, enquanto assistente, querendo, pode-se ter tudo. Pode-se estudar, aprender. Ele dá-nos muito tempo.”

Omer Wellber diz que o facto de ter um “padrinho”, não impede que tenha de prestar provas de fogo constantes: “Pode muito bem ser-se o “protegido”, mas eventualmente será essa pessoa a estar à frente da orquestra. Agora, nessa altura, é ainda melhor. Eu sou aquele que fica em frente à orquestra, mas tenho-o ali ao lado, por isso pode-me dar dicas, pode dizer algo que muda completamente a atmosfera da peça. Isto é bom. Só temos de estar calmos e aprender.”

Aos 29 anos de idade, Wellber sente-se “abençoado” por estar a trabalhar com alguém como Barenboim: “Sou um privilegiado por tentar e por fazê-lo aproximar-se o mais possível da orquestra. Muitas coisas surgem de forma natural, porque no momento em que o pianista começa a tocar e se sente imediatamente uma espécie de articulação, isso muda a próxima barra da orquestra, porque eles ouvem e vêm. Por outro lado, penso que também é preciso criar uma certa espécie de atmosfera aqui, articulação ali. Isto é tudo muito ruidoso. Quero que ele esteja inserido num ambiente o mais homogéneo possível, tal como ele diz a toda a hora: “Todos vão pensar o mesmo”. Não importa o que cada um faz, pensamos todos da mesma maneira, caminhamos todos na mesma direção.

Ainda não estou bem lá. Ele está, obviamente, mas, pelo menos, estou-me a esforçar por isso.”

O esforço e dedicação, aliados ao apoio do conceituado Daniel Barenboim, prometem fazer Omer Meir Wellber um nome de referência no mundo artístico.

Nesta entrevista é possivel ouvir excertos do Concerto para piano nº2 de Franz Liszt.

Mais sobre musica