Última hora
This content is not available in your region

As viagens dos "The Silk Road Ensemble"

As viagens dos "The Silk Road Ensemble"
De  Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

O grupo “The Silk Road Ensemble” reúne músicos de diferentes países em constante viagem musical entre o Ocidente e o Oriente. O projeto inspira-se na Rota da Seda, que durante dois mil anos foi calcorreada por várias culturas graças ao comércio entre a Europa, a Ásia Central e o Extremo Oriente.

Wu Man toca a “pipa”, um instrumento de cordas tradicional chinês: “A histórica pipa veio da Pérsia e da Ásia Central, há dois mil anos, através da Rota da Seda. É, por isso, que se adapta perfeitamente ao ‘The Silk Road Ensemble’”. E acrescenta: “Utilizamos os cinco dedos para tocar. Colocamos unhas falsas, algo moderno que começou nos anos 50. Há quatro cordas e barras de bambu.”

Kayhan Kalhor toca kamancheh, um violino tradicional do Irão. “O ‘Kamancheh’ é um instrumento de arco”, explica. “A grande diferença em relação aos outros instrumentos de arco é que, neste caso, o arco dirige-se para um lado e temos de virar o instrumento para que o arco toque nas diferentes cordas.”

Quanto às suas origens, “algures nos caminhos da história, este instrumento saiu da Pérsia e foi levado para o leste, para a China e o Japão, e depois para o ocidente, para a Europa”, conclui Kayhan Kalhor.

Uma música do mundo, ritmada pelo diálogo entre os diferentes instrumentos… Criado, em 1998, pelo mediático violoncelista Yo-Yo Ma, o grupo não se limita a espelhar a herança de outros tempos e dedica-se a compor, também, para as novas gerações.

Ao longo da digressão pela Ásia, os músicos fizeram vários workshops. Em Seul, por exemplo, encontraram-se com os jovens prodígios da Orquestra Juvenil de Sejong. As crianças, com idades entre os oito e os doze anos, têm aulas gratuitas, já que as famílias não podem pagar uma educação musical.

O fundador do grupo, Yo-Yo Ma, destaca que o que mais gosta é de “trabalhar com pessoas que não têm, necessariamente, tantas oportunidades e possibilidades para interagir, para aprender, para participarem diretamente na criação de alguma coisa.”

O famoso violoncelista acredita que os workshops e os espetáculos são feitos para serem memoráveis. “Não apenas para os outros mas também para nós”, sublinha. “Para os outros, espera-se que estas experiências se acumulem e contribuam para formar o indivíduo.”

A redescoberta da Rota da Seda por um grupo em constante viagem musical… Nas palavras de Kayhan Kalhor, trata-se de “uma música diferente, outra língua… Aprende-se a refletir mais abertamente do que costumamos fazer na nossa própria cultura musical.”

Nesta edição de Música pode ouvir excertos de “Ascending Bird”, com arranjos de Colin Jacobsen e Siamak Aghaei do “The Silk Road Ensemble”.

Para mais excertos (em inglês) das entrevistas com o violoncelista Yo-Yo Ma e os músicos Kayhan Kalhor e Wu Man clique aqui:
Bonus Yo-Yo Ma/