Última hora
This content is not available in your region

O Reino Unido deve continuar na UE?

O Reino Unido deve continuar na UE?
Tamanho do texto Aa Aa

Pergunta de Elsa, de França: “O euroceticismo parece alastrar cada vez mais no Reino Unido. Este país continua a ter um lugar na União Europeia?”

Pauline Schnapper, Professora de Civilização britânica na Universidade Sorbonne Nouvelle – Paris 3:

“É uma questão que volta a dar que falar e que não era colocada desde o início dos anos 70. Desde que o Reino Unido é membro da Comunidade e depois da União Europeia, ou seja desde 1973, os governos não imaginaram poder deixar a União Europeia (pelo menos não desde 1975, altura do referendo para se manter na comunidade).

Ainda que o Reino Unido, em alturas diferentes, se tenha mostrado um parceiro difícil, obstinado, crítico – sobretudo durante os anos 80 sob a liderança de Margaret Thatcher – os diferentes governos britânicos, trabalhistas ou conservadores, nunca pensaram em sair da União.

Eles queriam defender o que entendiam ser os interesses nacionais no seio da comunidade e orientá-la em função deles, numa conceção, digamos, britânica da Europa. Uma conceção liberal, de comércio livre, de desregulação. No entanto, nunca pensaram em sair.

O que é que hoje mudou? Duas coisas, a meu ver.

A primeira é que temos, há dois anos e meio, um governo em Londres que é dirigido, essencialmente, por um partido conservador que se tornou, não diria eurocético mas realmente antieuropeu.

O segundo fator recente é a crise na zona euro que, para além de todos os outros aspetos e consequências, teve como efeito confirmar o que muitos políticos já sabiam, ou seja, que a união monetária não pode funcionar na ausência de uma união política e de uma federação europeia. No entanto, está fora de questão, para os britânicos, participarem nessa federação.

Por isso, hoje há um debate, inclusive nestes últimos dias, sobre se o Reino Unido deve ou não permanecer na União Europeia. Isto é novo.

A posição do governo não vai no mesmo sentido. Ou seja, oficialmente o governo não quer deixar a União Europeia, mas quer fazer algo que poderá – se não funcionar – conduzir a uma saída. Ou seja, o executivo quer renegociar os termos da presença britânica na União Europeia e, em particular, repatriar um certo número de políticas comunitárias para o nível nacional. O passo seguinte seria organizar um referendo para validar esta nova configuração do Reino Unido na Europa.

No entanto, há o risco que os parceiros europeus não aceitem, que a Europa se desintegre e que, face a este fracasso, um governo ou a opinião pública através do referendo, decidam sair da União Europeia. É uma hipótese que eu teria rejeitado imediatamente há alguns meses, ou pelo menos, há alguns anos, mas que agora não pode ser afastada.”

Se quiser colocar uma questão no Utalk, clique abaixo.