Última hora
This content is not available in your region

Reconhecimento da Palestina

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Reconhecimento da Palestina
Tamanho do texto Aa Aa

Uma vitória diplomática para os palestinianos e o reconhecimento para Mahmoud Abbas. O presidente da Autoridade Palestiniana conseguiu ganhar a aposta de fazer reconhecer a Palestina como Estado não membro da ONU. Ainda na segunda-feira mostrou

como estava determinado:

“Vamos às Nações Unidas fortalecer o estatuto da Palestina como Estado observador, o que é o primeiro passo para fazer valer os direitos dos palestinianos, definidos nos Conselhos Nacionais desde 1994.”

Mahmoud Abbas já tinha anunciado a 11 de novembro, dia do oitavo aniversário da morte de Yasser Arafat. Disse que pediria o reconhecimento da Palestina com base nas fronteiras anteriores a 1967.

Mas Abbas foi silenciado durante a semana de hostilidades entre Israel e o Hamas.

Entre 14 e 21 de novembro só se ouviu o ruído das armas, e todos os projectores apontaram para Gaza, onde o Hamas dita a lei, desde que tomou o controlo da Faixa, em 2007.

O risco para Abbas era o de debilitarem ainda mais os apoios que tinha, como assinala Ghassan Khatib, vice-presidente da Universidade de Birzeit, perto de Ramalah:

“Acho que a guerra de Gaza marginalizou, até a um certo ponto, o apoio popular à Autoridade Palestiniana. Esta iniciativa nas Nações Unidas parece fortalecer a posição anterior do presidente Abbas e da Autoridade Palestiniana.”

De facto, quando assinou a trégua com Israel, o Hamas declarou-se vencedor, e em Gaza a multidão proclamou a vitória da resistência, alheia à via da negociação proposta por Abbas
para fazer avançar a causa palestiniana.

Mas, surpreendentemente, na segunda-feira 26 de novembro, Khaled Meshaal, chefe do comité político de Hamas no exílio, expressou por telefone do Cairo, a Mahmud Abas, o apoio do movimento islamista ao processo de Abbas na ONU.

Nesse mesmo dia o porta-voz do Hamas, em Gaza, confirmou-o.

SAMIABUZUHRI:

“O movimento Hamas apoia todos os atos diplomáticos que dêem mais vitórias aos Palestinianos. Damos as boas-vindas ao passo dado para o reconhecimento do Estado pelas Nações Unidas, mas queremos consegui-lo também através de um programa nacional baseado na resistência e nos direitos dos palestinianos.”

Depois de cinco anos de profundas divisões, as duas principais forças políticas palestinianas, Fatah e Hamas, parecem dispostas a apresentar uma frente comum. O Hamas só aceita a noção de Estado segundo as fronteiras anteriores de 1967, como solução transitória.

Adel Dellal, euronews – Connosco Nour Odeh, porta-voz do governo palestiniano.

A decisão tomada pela comunidade internacional de dar o estatuto de Estado observador à Palestina era evidente. Que representa a decisão para a causa palestiniana?

Nour Odeh – A decisão coincide com uma data de grande importância histórica. 29 de novembro é a jornada mundial de solidariedade com o povo palestiniano. Esta data foi escolhido por ser o dia em que a Assembleia Geral da ONU adotou, em 1947, uma decisão sem precedentes e que não se repetiu: a divisão de um território em dois Estados, Israel e Palestina. Desde então, a Palestina não foi reconhecida: a comunidade internacional corrigiu esse erro histórico.

euronews – Este processo foi um sucesso, qual é a próxima etapa?

Nour Odeh – Há muitas etapas e procedimentos que serão postos em prática pelos dirigentes. A prioridade é consolidar o espírito de unidade entre todas as fações, entre todos os palestinianos. Incarnar este espírito, traduzir em ação, em reuniões e em declarações positivas. É o que constatámos desde o início da agressãocontra a Faixa de Gaza. Este espírito de unidade será concretizado com reuniões no Cairo e em Doha. Depois vamos reconstruir as instituições democráticas.

euronews – O ministério israelita dos Negócios Estrangeiros advertiu que a elevação ao nível de representação diplomática palestiniana na ONU colocaria a questão de afastamento do governo de Mahmoud Abbas. Que pensa desta tomada de posição israelita?

Nour Odeh – Antes do mais, esta declaração é repreensível. Um ministro dos Negócios Estrangeiros deve representar a diplomacia de um país. A chantagem política e as ameaças são para regeitar. É preciso que o mundo e os membros da comunidade internacional assumam as suas responsabilidades morais, políticas e jurídicas.

euronews – Que significa esta nova situação para a reconciliação interna? Qual é a posição do Hamas?

Nour Odeh – Ouvimos os principais dirigentes do hamas, nomeadamente Khaled Mechaal e Nasser al-Shaer. O apoio a esta solicitação à ONU foi muito claro. Todas as fações, incluindo o movimento Hamas e a Jihad islâmica acreditam que esta decisão histórica coloca o nosso país na via adequada para melhorar e reforçar o direito dos palestinianos à autodeterminação.