Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Hulk: "Jogadores do Zenit faltaram-me ao respeito"

Hulk: "Jogadores do Zenit faltaram-me ao respeito"
Tamanho do texto Aa Aa

Hulk foi contratado pelo Zenit de São Petersburgo ao Porto por 40 milhões de euros, a segunda transferência mais cara de 2012, mas até agora Givanildo Vieira de Souza não justificou o investimento. O avançado de Campina Grande marcou quatro golos em 16 encontros contra dois que apontou pelo Porto em apenas três jogos disputados esta época. Hulk revelou à euronews os principais problemas de adaptação que está a viver na Rússia.

Cláudia Garcia, euronews: Porque é que o Hulk aos 26 anos trocou o FC Porto para ir para um clube e um campeonato inferior ao português?

Hulk: Queria alcançar uma nova meta e para isso precisava de ir para um campeonato diferente, já tinha ganho tudo no Porto. Tive várias propostas de Inglaterra, Itália e Espanha, mas não chegamos a um acordo. Alcançamos um acordo somente com o Zenit que é da Rússia.

euronews: Foi o Hulk que só chegou a um acordo com o Zenit ou foi o Porto?

Hulk: O Porto e eu também. Não vou mentir, as pessoas sabem que sou jogador de futebol, tenho de aproveitar o momento e é claro que também escolhi o Zenit pela questão monetária, mas não só. O Zenit é um clube que está a crescer muito, tem uma grande estrutura, um clube que está a investir muito e tenho a certeza que daqui a dois ou três anos vai estar entre os clubes de topo da Europa.

euronews: Hulk foi um ídolo no Japão, foi um dos maiores ídolos do campeonato português, mas está longe de ser um ídolo na Rússia. O que é que falta?

Hulk: Quando cheguei à Rússia, o campeonato já estava na oitava jornada, falhei toda a pré-temporada e não tive oportunidade de conhecer os jogadores nem dar-me a conhecer à equipa. Os meus colegas não conheciam o Hulk pessoa, só o Hulk jogador. Agora com a paragem do campeonato tivemos a felicidade de trabalhar juntos e conhecermo-nos bem. Tenho a certeza que depois desta pré-temporada, o Hulk vai voltar a ser o Hulk do Porto, do Japão e da seleção brasileira que joga um futebol alegre.

euronews: Portanto, prejudicou-o o facto de ter chegado só em Setembro?

Hulk: Eu acredito que sim, acredito que também tenha influenciado todo o tumulto da transferência, os valores em questão. Os outros jogadores já começaram a olhar de lado, mesmo sem me conhecerem. Pensaram que a contratação foi tanto e portanto que eu queria ser a estrela da equipa. Mas eu não cheguei para ser a estrela, eu estou aqui para ajudar e ser ajudado e tenho a certeza que isso vai acontecer.

euronews: No início a relação com os jogadores russos do plantel foi difícil?

Hulk: Sim, houve alguns jogadores que me faltaram ao respeito, mas eu nunca me manifestei nem queria qualquer confusão, bem pelo contrário.

euronews: Mas quando fala em falta de respeito, pode explicar-nos o que é que aconteceu exatamente?

Hulk: Foram ditas algumas coisas em público, que não deveriam ter sido ditas, nem em entrevistas. Eu seria incapaz de falar mal de um colega de profissão.

euronews: Refere-se ao capitão de equipa e aos outros jogadores do Zenit que se manifestaram relativamente à sua contratação?

Hulk: Sim, isso. Eu seria incapaz de falar mal de um jogador, pelo contrário quando falo, falo sempre bem. Já me perguntaram na Rússia qual é o jogador do Zenit com mais qualidade e eu citei o Denisov, porque é um jogador que eu gosto muito, com grandes qualidades.

euronews: O problema com o Denisov e o Kerzhakov foi apenas por uma questão de salário ou também teve uma base de preconceito?

Hulk: Não sei, não faço a mínima ideia, nunca falei com eles a esse respeito, nem sei o que é que eles conversaram com os dirigentes do clube. Não li nada na imprensa, porque não quero saber. Temos de nos dar bem e respeitarmo-nos dentro de campo, fora do campo, cada um tem a sua vida.

euronews: Depois do jogo com o Milan para a Liga dos Campeões, não gostou de ser substituído e teve um atrito com Luciano Spalletti. Manifestou a possibilidade de deixar o Zenit no mercado de Janeiro. Isso não aconteceu, coloca essa hipótese para o mercado de verão?

Hulk: Acho que me precipitei depois do encontro, estava nervoso e disse o que não queria. Agora estou mais entrosado com o treinador e com os colegas e não penso nisso. Sinto-me mais motivado e isso reflete-se na minha forma de jogar.

euronews: No início não se sentia motivado?

Hulk: Não é que não estivesse motivado, simplesmente não conseguia fazer bem as coisas, porque não sentia confiança dos jogadores em mim.

euronews: Na Rússia, uma das claques do Zenit fez um manifesto no dia 17 de Dezembro de 2012, no qual diz, que a ausência de jogadores negros no plantel do Zenit é uma “importante tradição que enfatiza a identidade do clube”. Como é que se sente a representar este clube?

Hulk: Nós estamos ali para jogar, independentemente da cor. Pode ser branco, preto, amarelo, azul é tudo igual. Somos todos de carne e osso e se furar a pele vai sair sangue na mesma. Não há diferença e esse preconceito não deveria existir. No entanto, da minha parte, tenho a dizer que desconheço esse lado dos adeptos do Zenit, quando entro em campo, ouço os adeptos a gritarem por mim e são gritos de incentivo. Eu guardo uma imagem positiva das claques e também nunca passei por essa situação, por isso não comentar.

euronews: Nunca foi vítima de racismo?

Hulk: Não, nunca fui, se disser de sim, estarei a mentir. Pelo contrário, sempre fui bem recebido por todos.

euronews: O Brasil em 2014 vai receber o Mundial que é uma competição muito importante, mas no país ainda existem muitos problemas de segurança, criminalidade e falta de organização. O que é que acha que vai acontecer no Brasil em 2014?

Hulk: As pessoas só falam na criminalidade e na violência, porque só querem ver o lado negativo das coisas. É preciso ver o lado positivo, se não houvesse este tipo de problemas no Brasil, o Brasil seria um país perfeito e a perfeição total não existe. Eu acredito que as coisas ainda vão melhorar com o tempo.