Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Práticas Desleais de Comércio

Práticas Desleais de Comércio
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Esperamos que um espelho, que comprámos na internet, tenha o tamanho que idealizámos. Mas não reparamos nas pequeninas letras do contrato que indicavam o verdadeiro tamanho.

Chamam-se Práticas Desleais de Comércio. Algumas são flagrantes, como os produtos apresentados como curas milagrosas. Outras estão escondidas como nos empréstimos e nas entrelinhas das promoções boas demais para serem verdade. Fomos a Itália descobrir as armadilhas e aprender a defender-nos.

Giorgio Nobili, já passou por uma situação destas:

“Quando comprei o computador ninguém me avisou que a garantia europeia era de dois anos. Insistiram em dizer que o meu computador tinha uma garantia de um ano.”

Uma multa de 900 mil euros, pela prática desleal de comércio, foi o que a Apple teve de pagar em Itália. O caso ocorreu em Milão, no final de 2011, mas permanece controverso porque a marca não mudou as suas práticas no resto da Europa.

Para vender uma extensão de garantia para os seus produtos, a Apple não menciona a existência da garantia europeia de dois anos. Como resultado os consumidores são levados a comprar um plano de proteção AppleCare que se sobrepõe à garantia prevista pelo Código do Consumidor.

Giorgio Nobili, explica a sua situação:

“Fui a uma loja da Apple, vi os produtos e comprei dois, um computador portátil e um de secretária, disseram-me que a garantia de ambos os dispositivos era de 12 meses mas que, comprando o AppleCare, por 400 euros, teria uma extensão de garantia para três anos.”

Giorgio comprou os computadores em novembro de 2011, um mês antes o grupo tinha sido multado. Decidiu por isso processar a Apple e está agora à espera da sentença e de ser reembolsado.

“Estando a lidar com uma grande empresa nunca pensei ser enganado. Pensei que o que me diziam era verdade, por isso assinei e acabei por pagar muito mais do que era preciso. Sinto que fizeram pouco de mim, sinto-me enganado e defraudado”, desabafa Giorgio Nobili.

As associações de consumidores desempenham um papel importante no combate às Práticas Desleais de Comércio. Elas recebem as queixas e reportam-nas à Autoridade da Concorrência. O caso da Apple foi resolvido em Itália pela perseverança da Altroconsumo:

“A Apple teve de alterar as informações no seu sítio na internet, onde não mencionava a legislação que refere os dois anos de garantia, também teve de modificar as orientações dadas às suas próprias lojas”, explica Marco Pierani, da Altroconsumo.

A Directiva Europeia distingue entre práticas comerciais agressivas e enganosas. Estas, através de ações ou omissões, podem levar o consumidor a fazer escolhas que poderia não ter feito. Um exemplo é a publicidade enganosa.

Um anúncio da Danone mostra como os consumidores podem ser facilmente enganados. Foi para o ar, em diversos canais italianos, entre fevereiro de 2010 e junho de 2012. A autoridade italiana condenou a Danone a uma multa de 170 mil euros por causa dele. Roberto La Pira, especialista em defesa do consumidor, explica porquê:

“Estamos perante um exemplo típico de publicidade enganosa porque inclui dados científicos, não confirmados, que podem confundir o consumidor. Diz que 50% das mulheres não tomam cálcio suficiente, mas isso não é verdade. Diz que a dieta diária não contribui para a quantidade necessária de cálcio, o que não é, em absoluto, verdade. O problema é que passou dois anos na televisão e as pessoas acreditaram. Foi censurado mas isso não foi dito nos “media”. Por isso o anúncio funcionou.”

As Práticas Desleais de Comércio estão em todo o tipo de atividade. A Fiat diz, num anúncio, que ao comprar um carro, economizaria muito dinheiro em combustível. O que não era exatamente verdade. Por isso foi multada em 200 mil euros. Até o principal operador ferroviário estatal italiano foi sancionado por promover bilhetes a nove euros que quase ninguém conseguiu comprar.

“Fala-se pouco sobre publicidade enganosa porque é um grande negócio. 90% das grandes empresas foram sancionadas pelo menos uma vez. Um exemplo típico é o das comunicações. Há, pelo menos, uma centena de sentenças contra as empresas de telefones, Elas fazem jogo sujo e não se importam. As multas estão incluídas nos seus orçamentos”, explica Roberto La Pira.

A publicidade enganosa é apenas uma gota no oceano das Práticas Desleais de Comércio. A venda porta a porta, por exemplo, pode facilmente transformar-se numa prática agressiva, como mostra um filme da Altroconsumo. A Diretiva Europeia elaborou uma lista negra de práticas que são consideradas abusivas e, portanto, proibidas.

A diretiva, adotada em 2005, substituiu as legislações nacionais com um conjunto de regras comuns. O primeiro relatório sobre a aplicação da diretiva foi adoptado. Intensificar a aplicação é o próximo desafio como diz Marco Pierani:

Cabe às várias organizações, em todos os países, verificar a aplicação das diretrizes sobre as Práticas Desleais de Comércio, ou seja, a aplicação da regra. A questão é tomar decisões eficientes e eficazes, ao mesmo tempo, em todos os países membros.”

A lei existe. O objetivo é harmonizar a sua aplicação, a fim de evitar surpresas desagradáveis.