Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Depois do Bangladesh, quem não assina o acordo de segurança?

Depois do Bangladesh, quem não assina o acordo de segurança?
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Quem é o culpado pelas mortes no colapso de uma fábrica no Bangladesh? O que vão as marcas ocidentais fazer, agora que surgiu um acordo sobre as condições de segurança? Foi o que perguntamos a Philip Jennings, secretário-geral da UNI Global Union, uma plataforma global que reúne cerca de 900 sindicatos, representando 15 milhões de trabalhadores no mundo inteiro.

Jennings salienta que foi estabelecido “um acordo entre a UNI Global Union e outra plataforma sindical, a IndustriALL, que define parcerias nos setores da manufatura, dos serviços e do comércio. É um acordo que diz respeito às condições de segurança nas fábricas do Bangladesh. E há uma diferença: é um acordo legalmente vinculativo. Conseguimos a assinatura de mais de 40 marcas globais, de retalho.”

No entanto, ressalva o secretário-geral, há ausências de monta: “a mais notória é a dos Estados Unidos. Temos connosco a Abercrombie & Fitch, a Calvin Klein, a Tommy Hilfiger, muitas marcas globais, mas sobretudo dos países da União Europeia, o que não deixa de ser uma coisa positiva. No entanto, a maior rede retalhista do mundo é a Walmart. (…) Recusaram o acordo, disseram-nos que iam tomar as suas próprias medidas, que iam ser eles a avaliar a situação. São eles que pretendem determinar o que lhes convém neste processo. A GAP também. A GAP gosta de se apresentar como uma marca contemporânea, responsável. Não sabemos o que se passa com eles, mas também não quiseram assinar. Sugeriram um acordo paralelo, só para eles, e nós recusámos.”