EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Divergências no eixo franco-alemão prejudicam integração da UE

Divergências no eixo franco-alemão prejudicam integração da UE
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
PUBLICIDADE

A chanceler alemã, cristã-democrata, e o presidente francês, socialista, marcaram presença, esta quinta-feira, em Leipzig, na celebração dos 150 anos do partido social democrata alemão, atualmente na oposição.

O protocolo e a responsabilidade política obrigam Angela Merkel e François Hollande a trabalharem de perto para tirar a zona euro da crise, mas os chamados motores da União Europeia estão cada vez mais de costas voltadas.

O presidente da França insiste nas medidas de incentivo ao crescimento e à criação de emprego, usando dinheiro público para combater a recessão. Mas a chanceler alemã continua a segurar a cartilha da austeridade, apesar de conceder mais tempo para que o ajuste não cause tanto sofrimento social.

Quando se reúnem em cimeiras, como a do combate à evasão fiscal, Hollande e Merkel tentam arregimentar apoios. Os dois políticos evidenciam ums crescente hostilização entre os chamados países do norte e os do sul, que coloca em causa uma maior integração europeia. A próxima prova de fogo será a cimeira do Verão, no final de junho, dedicada ao emprego, crescimento económico e união bancária.

Para aprofundar o tema, o correspondente da euronews em Bruxelas, Rudolph Herbert, entrevistou Jan Techau, diretor da filial europeia do Carnegie, organização para a promoção da paz.

“As profundas divergências económicas entre a França e a Alemanha são muito mais antigas do que a crise. Há também um choque entre duas culturas e esse choque tem estado sempre presente na relação política. Por causa da crise, o confronto agravou-se: os alemães são bastante liberais, defendem o livre comércio, a contenção salarial e um um papel muito pouco interventivo para o Estado. Já a França dá uma grande importância ao papel do Estado. O empreendedorismo, a livre iniciativa, as PME são coisas menos importantes do ponto de vista francês”, explicou o analista.

(veja a entrevista na íntegra em vídeo)

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polícia alemã mata homem que esfaqueou três pessoas numa festa do Euro 2024

Alemanha goleia Escócia no jogo inaugural do Euro 2024

Chegada da seleção portuguesa deixa centenas em euforia e até houve rancho folclórico