Última hora
This content is not available in your region

New York Forum discute futuro de África

New York Forum discute futuro de África
Tamanho do texto Aa Aa

Enquanto as dúvidas pairam sobre a Europa, com uma economia em crise, é aqui, em África, que os indicadores são melhores. Alguns países alcançam níveis de crescimento que podem até ser considerados arrogantes.

Mas os problemas persistem. Pobreza, explosão demográfica, saúde, segurança e governação.

Os africanos deixaram de contornar estes problemas – pelo contrário, tocam ideias, desenvolvem e lançam programas. Foi isso que se discutiu no New York Forum Africa, em Libreville, no Gabão.

O desenvolvimento de África assenta sobre várias palavras começadas por i como independência e inovação.

Independência, entre outras, financeira, para lutar contra a fuga de capitais, que faz com que cerca de um bilião de euros deixem o país todos os anos. Quatro vezes a dívida externa do continente.

Quanto à inovação, a África não é um conjunto coerente, mas um mosaico de 54 países onde coexistem 1500 etnias. A inovação, em todos os domínios, é precisa para que o país se imponha na cena internacional: “Não pode haver paz e segurança sem justiça. Todos os esforços que estamos a fazer no continente, no sentido do desenvolvimento económico e financeiro só fazem sentido se houver justiça, Estado de Direito e responsabilidade. Só assim pode haver desenvolvimento”, diz Fatou Bensouda, procuradora do Tribunal Penal Internacional.

Outros ii importantes para África são as infraestruturas, a integração, o investimento e a inspiração.

Ao longo dos últimos dez anos, o continente teve uma taxa de crescimento anual a rondar os 5%. Mas são precisas melhores infraestruturas, para que este crescimento atinja uma faixa maior da população.

Com 200 milhões de pessoas entre os 15 e os 24 anos, África tem a população mais jovem do mundo. Prevê-se que o número duplique até 2045, pelo que é urgente mudar as políticas, de forma a diminuir o desemprego, que afeta três em cada quatro jovens.

“Para que os empresários estejam presentes, precisamos de um quadro legal apropriado e de um ambiente favorável aos negócios. Para que isso aconteça, o governo tem que estar motivado em termos de reformas. É tudo o que é preciso. Não têm de esperar pelo ocidente nem por ninguém. É simples. Sentamo-nos e vemos como podemos tornar o país mais favorável aos negócios. Se sim, não precisamos dos governos para mais nada. Isso atrai mais empresários e vamos poder fazer o nosso trabalho. É assim que se começam empresas e criam postos de trabalho. Assim acontece o crescimento de África”, diz Magatte Wade, fundadora da empresa Tiossan.

Este fórum serviu também para assinar o protocolo para o alargamento do programa de habitação social de Libreville.

Foi a segunda edição do New York Forum África. Estiveram presentes 700 líderes políticos e económicos.

O antigo conselheiro dos presidentes Clinton e Obama, Larry Summers, recordou que o desenvolvimento africano é o mais importante do século XXI e, para isso, basta recordar que muitos países africanos têm, neste momento, juros da dívida mais baixos que vários países na Europa.