Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Albânia: PM promete luta anti-corrupção para poder entrar na UE

Albânia: PM promete luta anti-corrupção para poder entrar na UE
Tamanho do texto Aa Aa

A corrupção foi um dos temas mais marcantes das eleições na Albânia, no início do verão. Ainda candidato, Edi Rama, participou nos protestos nas ruas e prometeu lutar contra essa marca do regime.

Agora à frente de um governo de coligação, depois da investidura no passado domingo, o primeiro-ministro socialista promete também lutar pela adesão à União Europeia (UE).

O analista político Steven Blockmans explicou à euronews que “a Albânia realizou progressos em alguns setores, sobretudo na implementação de requisitos técnicos. Têm um novo Provedor de Justiça, que era uma das exigências. Também remodelaram o estatuto de imunidade parlamentar e criaram tribunais administrativos. Isto é, podemos medir os progressos concretos”.

O investigador, que trabalha no Centro de Estudos sobre Política Europeia, com sede em Bruxelas, admite que muito mais terá de ser feito, até porque o ponto de partida é muito frágil.

“A Albânia é o país mais corrupto da Europa, de acordo com a organização Transparência Internacional, e é também um dos países mais pobres da Europa. Vai ter dificuldades em levar a cabo alguns dos requisitos formulados pela Comissão Europeia”, acrescentou Steven Blockmans.

O primeiro-ministro Edi Rama escolheu Bruxelas para a primeira visita institucional. Apesar das duas recusas anteriores, espera que a Albânia obtenha o estatuto de candidato à UE até final do ano.

Em conversa com o correspondente da euronews em Bruxelas, James Franey (JF/euronews), Edi Rama (ER/PM Albânia) disse que “fizémos grandes progressos, mas ainda há muito a fazer e espero sinceramente que, nos próximos dez anos, esta ambição seja concretizada e que a Albânia se torne um membro de pleno direito da UE”.

JF/euronews: “Qual será a contribuição da Albânia para a UE? Fala-se muito em Bruxelas de um certo cansaço com o alargamento”.

ER/PM Albânia: “Enquanto falava de cansaço, a UE aceitou um novo membro, a Croácia. Em segundo lugar, a Albânia é o país mais pró-europeu de toda a Europa. A taxa de aprovação da UE é muito maior na Albânia do que em qualquer estado-membro. À nossa pequena e modesta escala, vamos contribuir para a UE com energia positiva e entusiasmo”.

JF/euronews: “Mas deve ser difícil vender essa ideia aos eleitores do estados-membros da UE. No Reino Unido há um grande debate sobre o futuro da UE e o mesmo se passa em França e na Alemanha. Algumas das preocupações decorrem da imagem da Albânia como um país corrupto”.

ER/PM Albânia: “Não é que não mereçamos isso, em certa medida, mas há um certo exagero, uma certa caricatura. O debate de que está a falar tem a ver com as frustrações de cidadãos dos países-membros da UE. Essas frustrações não se resolvem só porque se mantém fora da família europeia os povos albanês, sérvio, montenegrino ou macedónio. Aqueles que falam contra o alargamento fazem-no com motivações políticas nos seus países e não devido a uma preocupação genuína sobre o futuro da Europa”.

JF/euronews: “Então, concretamente, o que é que pretende fazer? Vai remodelar os serviço públicos? Quais são as reformas profundas que quer aprovar?”

ER/PM Albânia: “É muito claro. Aqueles que foram escolhidos pelo povo defendem o caminho da modernização e é isso que temos de fazer. Precisamos de modernizar as instituições e os serviços, bem como a forma de comunicarmos. Estamos decididos e prontos a fazê-lo”.

JF/euronews: “É uma pessoa muito conhecida internacionalmente devido ao seu mandato como presidente da câmara de Tirana. Tendo em conta que a corrupção é quase endémica na Albânia, houve situações em que os seus valores estiveram em risco?”

ER/PM Albânia: “Penso que a corrupção é o resultado de um sistema falido e não algo intrínseco às pessoas. No final das contas, quando uma entidade é corrupta, não o é por causa de aí trabalharem albaneses ou britânicos. É por causa do sistema que vigora. Se os albaneses que trabalham nessa entidade forem transferidos para a função pública britânica, não serão corrupto porque não existem oportunidades para fazerem subornos. Mas se levar alguns britânicos para a entidade albanesa, há fortes probabilidades de eles serem corrompidos”.

JF/euronews: “Alguém tentou suborná-lo durante o seu mandato como autarca?”

ER/PM Albânia: “Pode ter acontecido no início mas, depois de uma recusa firme, não voltou a acontecer. E mesmo então, não foi assim algo tão direto e simples. A corrupção é uma espécie de animal que tenta seduzir as pessoas, mesmo que muito diferentes entre si. É algo que insidiosamente se vai aproveitando das lacunas que existem no sistema”.